Gestantes e puérperas que receberam a vacina da Astrazeneca devem esperar 45 dias após o parto para a segunda dose

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — O Ministério da Saúde orientou que grávidas e puérperas (mulheres até 45 dias pós-parto) que já tomaram a primeira dose da vacina de Oxford/Astrazeneca completem o esquema vacinal com o mesmo imunizante. No entanto, conforme nota técnica publicada nesta quarta-feira, a segunda dose deve ser aplicada após o fim do puerpério.

A decisão vale para gestantes com ou sem doença prévia que já tomaram essa vacina, batizada de Covishield. Segundo a pasta, o total ultrapassa 15 mil mulheres em todo o país.

O ministério suspendeu temporariamente, a partir de 11 de maio, a aplicação do imunizante, depois de recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Uma grávida de 35 anos, moradora do Rio de Janeiro, morreu por AVC, após tomar a primeira dose da AstraZeneca. O feto de 23 semanas também não resistiu. A pasta frisa, contudo, que ainda não é possível comprovar a relação entre a vacinação e o óbito.

“Frente a ocorrência de um evento adverso grave pós-vacinação em uma gestante vacinada com a vacina AstraZeneca/Oxford/Fiocruz com possível associação causal com a vacina e em atendimento a uma solicitação da Anvisa, o Programa Nacional de Imunizações orienta a interrupção do uso da vacina COVID-19 AstraZeneca/Oxford/Fiocruz em gestantes e puérperas”, diz o documento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos