Gestantes que tomaram 1ª dose de Astrazeneca podem tomar 2ª dose de Pfizer em São Paulo

·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***SUZANO, SP, 10.04.2021 - Vacinação contra a Covid-19. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
***ARQUIVO***SUZANO, SP, 10.04.2021 - Vacinação contra a Covid-19. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Mulheres grávidas e puérperas de São Paulo que tomaram a primeira dose da vacina da Astrazeneca devem completar o esquema vacinal com a segunda dose da Pfizer.

Nesta quarta (21), o vice-governador Rodrigo Garcia (PSDB) anunciou que todos os municípios paulistas estão liberados a aplicar a vacina da Pfizer nesses casos.

A decisão segue orientação do Ministério da Saúde, que suspendeu em 11 de maio a vacinação com o imunizante da Oxford/AstraZeneca das gestantes e puérperas.

Na época, apenas o grupo com comorbidades estava incluído no calendário de vacinação. A suspensão ocorreu após o registro de um caso de óbito de gestante que recebeu a vacina Oxford/AstraZeneca.

Com a suspensão, a vacinação de gestantes que ainda não tinham recebido as doses passou a ocorrer no país com o uso de imunizantes da Pfizer e do Butantan.

Segundo Regiane de Paula, coordenadora do Programa Estadual de Imunização (PEI), 9.000 mulheres desse grupo receberam a 1ª dose da AstraZeneca. Nesses casos, elas devem ir aos postos de saúde com o cartão de vacinação na data em que está prevista a aplicação da segunda dose para receber o imunizante da Pfizer.

Outros estados, como Rio de Janeiro, já haviam autorizado que o esquema vacinal dessas mulheres pudesse ser completado com a Pfizer.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos