Gilmar Mendes chama de 'vergonha nacional' a 'perseguição' de Bolsonaro a Anvisa

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Gilmar Mendes
    Jurista, magistrado e professor brasileiro, ministro do Supremo Tribunal Federal
José Cruz/Agência Brasil
O ministro do STF Gilmar Mendes. Foto: José Cruz/Agência Brasil
  • Presidente tem atacado servidores do órgão

  • Ele critica liberação de vacina para crianças entre 5 e 11 anos

  • Agência também se posicionou

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), comentou nesta domingo (19) o que ele chamou de “perseguição” do governo de Jair Bolsonaro (PL) a funcionários da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Na última quinta-feira (16), em sua live semanal, o presidente disse que pediu “extraoficialmente” os nomes dos servidores envolvidos no processo de análise e autorização da aplicação da vacina da Pfizer contra a covid-19 em crianças com idade em 5 e 11 anos. O objetivo de Bolsonaro seria expor essas pessoas aos seus seguidores.

“A perseguição aos técnicos da Anvisa é uma vergonha nacional. Mostra como o discurso do ódio chegou a níveis alarmantes no país. Aos servidores da agência, expresso minha solidariedade. Conclamo que as autoridades policiais investiguem e garantam a segurança das famílias”, disse Gilmar Medes.

Já a Anvisa emitiu uma nota afirmando “repudiar com veemência” as ameaças do presidente.

“A Anvisa está sempre pronta a atender demandas por informações, mas repudia e repele com veemência qualquer ameaça, explícita ou velada que venha constranger, intimidar ou comprometer o livre exercício das atividades regulatórias e o sustento de nossas vidas e famílias: o nosso trabalho, que é proteger a saúde do cidadão”, disse o órgão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos