Gilsons, trio com filhos e neto de Gilberto Gil, lança música com Jovem Dionísio

Eduardo Vanini
·2 minuto de leitura

Tão logo apresentaram o primeiro EP, “Várias queixas”, no fim de 2019, os Gilsons tinham uma agenda promissora no horizonte. Mas veio a pandemia, e a trinca formada por José Gil, Francisco Gil e João Gil — filho e netos de Gilberto Gil — precisou mudar os planos. “Fizemos festivais e, quando começaríamos com shows grandes, entramos em quarentena”, relembra João. “Tínhamos uma apresentação no Pelourinho, com muitos ingressos vendidos, e cancelamos.”

Com os palcos fechados, o êxito passou a ser mensurado em outro lugar: nas plataformas de streaming, onde o grupo coleciona números cada vez mais robustos com suas canções que transitam entre pop, MPB e ritmos afro-baianos. Só para citar o maior o hit, “Várias queixas” foi ouvida mais de 24 milhões de vezes no Spotify. “A pandemia teve essa dualidade para nós”, afirma Francisco. “Depois de um trabalho árduo, ao longo de um ano e meio, de repente, nossos números quintuplicaram.”

Transformar limão em limonada fez-se, então, especialidade da casa, e o trio aproveitou para embarcar numa série de parcerias que ampliou ainda mais a base de fãs. Lançaram “Índia”, com Júlia Mestre; “Devagarinho”, com Mariana Volker; e “Besteira”, com o duo Yoún. Nesta sexta-feira, foi a vez de “Algum ritmo”, com a banda Jovem Dionísio, desembarcar nas plataformas, com direito a um clipe agendado para quarta-feira.

Francisco adianta que a música encerra, por ora, a sucessão de parcerias, já que o trio seguirá, em breve, para um “retiro” no sítio da família, em Araras, na região serrana do Rio. Ele faz mistério sobre o que exatamente sairá deste encontro, mas adianta que os fãs podem ansiar por coisas boas. “Este novo ciclo está aberto, e a galera pode esperar muitas novidades”, afirma. “Quem sabe não sai um álbum?”

A sintonia para isso é abundante. Numa família tão grande como a de Gilberto Gil, a união entre os três rapazes se dá como um recorte geracional. Francisco, filho de Preta, tem 26 anos, José, caçula do cantor, 29, e João, filho de Nara, 30. “Sempre gostamos de estar juntos. Foi natural que houvesse essa parceria, já que nos vemos como irmãos, e não como primos e sobrinhos”, conta José. Ele, aliás, acaba de deixar a árvore genealógica ainda maior, com a chegada das gêmeas Roma e Pina, suas filhas com a cantora Mariá Pinkusfeld. Motivos, como se vê, não faltam para essa “turma animada” crescer.