Ginecologista italiano oferecia 'sexo milagroso' para curar mulheres do HPV

·3 min de leitura
Giovanni Miniello, de 60 anos, ao ser flagrado por programam de televisão. Foto: Reprodução/Facebook
Giovanni Miniello, de 60 anos, ao ser flagrado por programam de televisão. Foto: Reprodução/Facebook
  • Médico foi pego em armação de canal de TV

  • Ele diz que já salvou diversas mulheres do câncer

  • Mais de 15 mulheres já vieram a público para denunciar o homem

A polícia italiana investiga o ginecologista Giovanni Miniello, de 60 anos, que oferecia sexo como cura para doenças de suas clientes. Ele foi flagrado seminu em um quarto de hotel na companhia de uma atriz italiana, em uma armação da rede de TV Le Iene, que foi procurada por uma das ex-pacientes do médico.

A vítima que procurou a produção da rede de televisão, uma mulher não-identificada de 33 anos, havia procurado o ginecologista, que atende na cidade de Bari, por estar com dificuldades para engravidar. Miniello disse que ela estava com uma infecção por HPV, vírus do papiloma humano, capaz de causar câncer e impedir gestações.

Mesmo os exames da paciente não atestando problemas, o médico insistiu em seu tratamento e garantiu que "salvou muitas mulheres do câncer". "Todas aquelas com quem eu tive contato tiveram [exames] negativos depois", de acordo com relato da vítima ao jornal italiano La Repubblica.

A mulher então levou o caso ao programa de TV, que resolveu armar uma armadilha para o médico. Desde a exibição do episódio, mais 15 mulheres vieram a público denunciar o médico por oferecer “sexo milagroso”.

Conforme relatou, Miniello agiu de forma não profissional desde o começo. Em dado momento, ele chegou a tocar seus seios e comentar que “gostava de mulheres com seios pequenos”.

Em seguida, ele entrou em contato para informar o resultado dos exames da paciente, que teriam dado positivo para HPV. Foi quando ele ofereceu para curar um possível câncer tendo relações sexuais com ela.

A vítima, no entanto, se antecipou e já havia buscado auxílio jurídico. Ela então gravou a conversa e enviou o conteúdo para o canal Le Iene. Foi quando a produção encontrou uma atriz, que entrou em contato com o médico afirmando que tinha HPV.

Dessa vez, Miniello chegou a defender que sexo com um homem "vacinado", como ele, daria a ela "imunidade", dizendo que era importante que eles não usassem camisinha.

Ao ser flagrado pela equipe de TV no quarto de hotel em que marcou o encontro com a falsa paciente, o ginecologista disse que "estava fazendo aquilo por seus estudos e pelas outras pessoas que já salvou".

Já à mídia local, o médico disse que "tratou centenas de mulheres ao longo de 40 anos de profissão, com sucesso, e que apenas propôs um tratamento alternativo que rendeu resultados". Ele alegou ainda que nunca coagiu mulheres a terem sexo com ele e que sempre ofereceu "liberdade de escolha absoluta".

A coordenadora do Centro Anti-Violência de Bari, Marika Massara, afirmou que a instituição "tem recebido diversos relatos nos últimos dias, de mulheres que se uniram e passaram por uma situação similar".

"Algumas pensam em denunciar, outras têm medo, também porque o nível de vitimização que estamos presenciando é muito alta", disse. A procuradoria de Bari abriu uma investigação sobre o caso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos