Giovanna Lancellotti fala de novo papel, relembra traição e explica transformação do corpo: 'Peguei a equipe da Sabrina Sato'

Em "O lado bom de ser traída", filme da Netflix com estreia prevista para 2023, Giovanna Lancellotti viverá Babi, uma mulher que descobre a infidelidade do companheiro às vésperas do casamento.

Na web: Giovanna Lancellotti rebate comentários sobre suposta gravidez:

Entrevista: Giovanna Lancelotti explica divergências políticas com a mãe e fala de investimento em vinícola

— Ela é noiva há cinco anos, tem uma relação estabelecida. Antes do casamento, recebe fotos dele com outra mulher. Qualquer mulher nesse lugar chora. Mas a Babi tem uma forma de dar a volta por cima diferente. Ela não é uma menina frágil, doce e romântica que se transforma num mulherão. Ela simplesmente volta a ser quem era. Isso é muito legal. Quando se fala no lado bom de ser traída, é no sentido do resgate da personalidade dela. A personagem andava de moto, mas o noivo não gostava. Então, ela vendeu. Apagou seu brilho para a relação ser mais saudável, na visão dela. Quando tudo termina, a primeira coisa que ela faz é comprar a moto de volta — explica ela sobre a história do longa, cujas filmagens já foram encerradas.

Giovanna, de 29 anos, diz que também já foi traída quando mais nova. Atualmente, ela namora com Gabriel David:

— Já, sim. Acho que toda traição, por mais que doa na hora, mostra que, no fundo, a pessoa não serve para você. Se não é um acordo, se não é uma via de mão dupla, se é unilateral, é melhor você se livrar. Se não for agora, vai ser para frente. Tem, sim, o lado bom, de se reconectar com você mesma, de se lembrar de quem é. Ajuda a abrir a porta para quem não vai te ferir em vez de perder tempo com uma pessoa que não vale a pena. Claro que no meu caso não foi algo tão grave, a ponto de estar quase casando, como a personagem. O luto passa e você descobre portas maravilhosas.

No filme, Babi conhecerá outro homem e embarcará numa relação ardente. A atriz terá cenas quentíssimas com Leandro Lima. Para as sequências de sexo e nudez do filme, Giovanna optou por transformar o corpo. Ela secou e definiu os músculos:

— Eu malhei muito, fiz um intensivão bem pesado. Com as filmagens durando umas 12 horas por dia, eu ia antes ou depois, mas não deixei de malhar um segundo. Estou malhando com um personal em São Paulo e fazendo drenagem linfática. Peguei a equipe da Sabrina Sato. Perguntei: "Quem são o seu personal e o seu massagista?". Eles entraram em acordo comigo para estarem sempre presentes quando eu precisasse. Fiz muita coisa estética também. Tudo o que podia fazer para melhorar meu físico eu fiz, mas sem loucura, sem dieta maluca. Não passei mal de fome, não tomei remédio. A carga emocional do filme já era grande. Eu não podia me desgastar em mais nada, tinha que fazer tudo de forma saudável. Se tivesse que fazer um sacrifício grande, eu não ia dar conta. Quis me empenhar, mas mesmo assim de forma leve, sem ser algo maçante. A personagem exigia um físico mais definido que o da Giovanna, pelo estilo de vida dela, por andar de moto... Mas eu também queria me sentir bem no vídeo e dar uma mudada. Queria diferenciar da personagem anterior, a Paula do filme "Ricos de amor" 2. Emendei um trabalho no outro.