Gleisi Hoffmann enaltece a demissão de Arruda do Comando do Exército: 'Lula atuou para garantir a Constituição Federal'

Presidente nacional do PT, a deputada Gleisi Hoffmann afirmou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva "atuou mais uma vez com firmeza para garantir a Constituição Federal e as prerrogativas de comandante das Forças Armadas", ao comentar a demissão do general Júlio Cesar de Arruda do comando do Exército.

Com comandante do Exército: Lula demitiu 80 militares do governo em cinco dias

'Fratura de confiança': ministro da Defesa, José Múcio explica demissão de comandante do Exército

Em uma publicação no Twitter, Gleisi não poupou Arruda de críticas. "O comportamento do ex-comandante do Exército caracterizou insubordinação inadmissível perante ameaças à democracia e de partidarização da Força. A democracia rejeita qualquer tutela sobre os poderes civis que emanam do voto popular. Crise haveria se o presidente Lula não tivesse atuado em defesa da Constituição", concluiu.

Como o GLOBO mostrou, Lula quis demitir o general devido ao comportamento do militar em relação aos acampamentos golpistas diante do Quartel General do Exército, em Brasília.

O presidente já havia criticado o que chamou de conivência do Exército com os terroristas que invadiram o Palácio do Planalto, o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo integrantes do governo, Arruda teria sido resistente à tentativa de pacificação da relação entre o presidente e o Exército. Outros petistas também citaram a "quebra de confiança" de Lula com o militar. A demissão de Arruda chamou ainda mais atenção por ocorrer um dia depois de uma reunião de Lula com os comandantes de todas as Forças no Palácio do Planalto em uma tentativa de "virar a página", nas palavras do ministro da Defesa, José Múcio Monteiro.

Outros petistas comentam

Líder do PT na Câmara, Reginaldo Lopes (MG) também enalteceu a escolha de Lula: "Queremos apenas que os comandantes das forças defendam a legalidade e a Constituição Federal", disse ele, que negou que a queda de Arruda implique em desgaste para Múcio, que endossou o nome para o comando do Exército: "O ministro Múcio tem uma tarefa institucional que é a despolitização das forças armadas. Na minha avaliação ele está indo bem na missão, está reconstruindo pontes".

Carlos Zaratini (SP) disse que a opção de Lula por nomear Tomás Miguel Ribeiro Paiva como novo comandante do Exército significa uma busca pela legalidade e citou outro ponto de trensão de Lula com o militar: A nomeação do tenente-coronel Mauro Cesar Barbosa Cid para 1º Batalhão de Ações e Comandos, unidade de Operações Especiais. Seu nome ganhou notoriedade nesta sexta-feira, após reportagem de Rodrigo Rangel, do portal Metrópoles, apontar que investigações da PF, sob o comando do Supremo Tribunal Federal (STF), apuram se o ajudante de ordens do ex-presidente operava uma espécie de “caixa paralelo”. O ex-presidente Bolsonaro nega as informações.

— Lula busca uma concepção legalista e que acate a hierarquia suprema do presidente. Não se trata de varrer bolsonaristas do governo, mas quem estiver nesta posição precisa acatar o comando. O presidente queria ter desmontado acampamentos, por exemplo, e viu o tenente-coronel Mauro Cesar Barbosa Cid ser indicado para uma tropa de elite, sendo ele uma pessoa envolvida em investigações. Múcio não se queima com o endosso ao nome do Arruda, já que apenas adotou o critério da maior antiguidade para a escolha", afirmou.