Gleisi Hoffmann é reeleita presidente do PT

CAROLINA LINHARES
***FOTO DE ARQUIVO*** SALVADOR, BA - 14.11.2019: LULA EM SALVADOR - Gleisi Hoffmann, em Salvador - BA. (Foto: Mauro Akiin Nassor /Fotoarena/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com a bênção do ex-presidente Lula, a deputada Gleisi Hoffmann (PR) foi reeleita com 71,5% dos votos petistas para mais quatro anos na presidência do PT. Ao avaliar as prioridades do partido, ela reconheceu que é preciso fortalecer a comunicação digital, dominada pela direita.

Gleisi admitiu que a comunicação do PT está "aquém daquilo que nós precisamos". "A direita está na nossa frente. Precisamos nos armar nas redes sociais, organizá-las, juntá-las, potencializar os nossos canais", afirmou.

O resultado do 7º Congresso Nacional do PT foi anunciado neste domingo (24) e já era esperado. A principal corrente do partido, a CNB (Construindo um Novo Brasil), da qual Gleisi faz parte, tinha a maioria dos 800 delegados eleitos previamente para deliberar sobre o comando da sigla.

O congresso também apresentou uma resolução final, que guiará a atuação do partido nos próximos anos. O documento é basicamente a tese já defendida pela CNB, mas com uma emenda que avaliza a possibilidade de o partido pedir o impeachment de Jair Bolsonaro caso enxergue condições para isso.

"A partir da evolução das condições sociais e percepção pública sobre o caráter do governo, da correlação de forças, a direção nacional do partido, atualizando a tática para enfrentar o projeto do governo Bolsonaro, poderá vir exigir a sua saída", diz o trecho.

Segundo membros da CNB, hoje não há crime de responsabilidade praticado por Bolsonaro nem mobilização popular ou maioria no Congresso capaz de sustentar um impeachment. O texto final, no entanto, coloca essa hipótese no horizonte em vez de descartá-la.

"A possibilidade sempre tem. O presidente comete uma série de impropriedades, sua família está sendo investigada, então há possibilidade de se configurar um crime de responsabilidade como diz a Constituição", afirmou Gleisi à imprensa.

A tese da CNB defende que o partido ajude a consolidar a unidade das esquerdas ao mesmo tempo em que busque o centro para aliança ampla em prol do Estado de Direito.

"Trata-se de construir uma maioria consistente na sociedade —que não seja apenas eventual, conjuntural, mas que se afirme como verdadeira hegemonia democrática de ideias e valores— se queremos chegar novamente ao governo federal", diz o texto.

Gleisi afirmou aos jornalistas que o partido admite buscar setores do centro para defesa de pautas específicas.

"Somos contra essa pauta liberal que está no Congresso, que retira direitos, destrói o Estado e privatiza. Essa é nossa pauta principal e em torno dela vamos fazer alianças. Agora, tem questões mais pontuais que outros setores podem se juntar a nós, por exemplo, a defesa da democracia", disse.

Ao encerrar o congresso, Gleisi afirmou que o partido "quer Lula presidente da República novamente". O petista, solto no último dia 8, foi a grande estrela do congresso. No discurso de abertura, o ex-presidente defendeu a polarização e negou isso signifique radicalização.

Ela voltou a afirmar os rumos do partido já expressos por Lula em suas falas, como a defesa da anulação da condenação do ex-presidente na Lava Jato e que o PT tenha o maior número possível de candidaturas em 2020.

"Acharam que nos matariam, mas estamos bem vivos", disse Gleisi em seu discurso neste domingo, diante de um já esvaziado público.

"Lula fez um chamado ao povo para ir às ruas e foi chamado de radical. Mas Lula sempre exortou o povo brasileiro a lutar. E a luta que queremos é no campo democrático", afirmou, repetindo a fala do maior líder petista feita na sexta (22).

Em relação à eleição de 2020, Gleisi também ecoou a orientação de Lula de que o partido lance o maior número de candidaturas possível. A ideia é usar o espaço das campanhas para fazer uma defesa do PT.

Ao contrário do ex-presidente, que já afirmou que outros partidos de esquerda não têm candidatos que superem os do PT, a deputada fez a ressalva de que alianças com outras legendas são consideradas.

"[Nas eleições de 2020] Temos que falar com povo, defender Lula e defender nosso partido. Isso não quer dizer que vamos prescindir de fazer alianças com o campo progressista e popular", disse a deputada.

Gleisi afirmou que não há discordância com Lula em relação à possibilidade de alianças. "Nós não temos divergência, ele tem uma disposição de animar o PT [a lançar candidatos]", disse.

No Rio de Janeiro, por exemplo, onde o PT considerou apoiar Marcelo Freixo (PSOL), Lula lançou o nome da deputada Benedita da Silva. À imprensa, porém, Gleisi afirmou neste domingo que a conversa com o PSOL continua, assim como a negociação em torno do apoio à Manuela D'Ávila (PC do B) em Porto Alegre.

A CNB, corrente de Gleisi, também obteve a maior parte das vagas do diretório nacional, composto por 90 cadeiras. O órgão será preenchido de forma proporcional, segundo os votos obtidos por cada uma das correntes. Na próxima semana, o diretório se reúne para eleger a comissão executiva nacional.

Por falta de acordo dentro da própria CNB, ainda não há definição sobre cargos importantes, como o de tesoureiro --os principais nomes cotados são Márcio Macedo, um dos vice-presidentes do PT, e Vagner Freitas, presidente da CUT. Como mostrou a coluna Painel, a ala que representa o Nordeste reivindica postos de projeção.

A corrente majoritária no PT também deve ocupar as secretarias de organização, comunicação e relações internacionais.

A secretaria-geral tende a ser ocupada pelo deputado Paulo Teixeira (PT-SP), que abriu mão de concorrer à presidência neste domingo para apoiar Gleisi.

Os outros nomes que concorreram à presidência foram a deputada Margarida Salomão (PT-MG) e o historiador Valter Pomar, de correntes mais à esquerda no partido. Eles obtiveram respectivamente 11,7% e 16,6% dos votos.

No caminho para a reeleição, Gleisi chegou a enfrentar resistência dentro da CNB. Houve um movimento a favor de que Fernando Haddad, presidenciável do partido em 2018, comandasse o PT. O nome da deputada, no entanto, foi defendido por Lula e acabou se sobressaindo.