Gleisi pede que parlamentares 'deem ordem de prisão' para agentes da PM e PRF em ações que afetam eleição

Presidente do PT e deputada federal, Gleisi Hoffmann pediu que parlamentares da coligação do partido deem ordem de prisão aos agentes da Polícia Militar (PM) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) que realizam operações que afetam percursos de eleitores até as urnas neste domingo de segundo turno.

Entenda: Moraes cobra explicações da PRF; prefeitos relatam que operações afetam transporte público de eleitores em cidades do Nordeste

Leia mais: Diretor-geral da PRF posta pedido de voto em Bolsonaro

A deputada também disse ter pedido a prisão do diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Silvinei Vasques, e dos superintendentes regionais da corporação.

"Peço aos parlamentares da nossa coligação que se dirijam aos locais das operações em seus estados e deem ordem de prisão aos policiais, inclusive PMs como no RJ", escreveu Gleisi no seu Twitter.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, determinou neste domingo que Vasques preste explicações sobre possíveis operações. A determinação tem como base um vídeo publicado pelo prefeito de Cuité, no interior da Paraíba, Charles Cristiano Inácio da Silva (Cidadania). O vídeo mostra policiais rodoviários federais realizando uma operação na entrada da cidade que ele administra.

Prefeitos e eleitores de outras várias cidades do Nordeste fazem relatos de operações semelhantes, com blitzes da PRF na região, apesar da determinação de véspera do TSE impedindo este tipo de ação.

Além disso, eleitores enfrentam dificuldades para se deslocar até a votação em outras cidades do país. Na Rio de Janeiro, há relatos de ônibus cobrando passagem, apesar do passe livre instituído pela Prefeitura. Em São Gonçalo, na região metropolitana, moradores se queixam de ter que percorrer longas distâncias a pé para votar, porque há poucos ônibus circulando em áreas mais pobres da cidade.