'Globo repórter' reestreia com uma viagem pelo Rio e mostra curiosidades do Cristo Redentor

Isabella Cardoso
·3 minuto de leitura

Com a pandemia de coronavírus e as medidas de isolamento social, viajar acabou virando uma difícil missão. Mas para quem gosta de conhecer novos lugares, o “Globo repórter” reestreia hoje com a proposta de nos fazer “turistar” mesmo no sofá. O episódio que marca o início da nova temporada da atração, apresentada por Gloria Maria e Sandra Annenberg, traz a repórter Fernanda Graell desvendando belezas e curiosidades dos grandes aniversariantes do ano: o Cristo Redentor e o Parque Nacional da Tijuca. Ela garante um programa com aventura, emoção, história e esperança.

— O Cristo completa 90 anos no dia 12 de outubro, e o Parque faz 60 anos. Os dois locais são patrimônios dos brasileiros e merecem nossa reverência. Vamos mostrar o trabalho do projeto Refauna, que está trazendo de volta os animais nativos ao Parque da Tijuca. E também o amor dos profissionais que trabalham e cuidam da nossa floresta, que emociona bastante — diz Fernanda.

A jornalista, que trabalha e mora no Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio, diz se sentir em casa na Floresta da Tijuca. Mas até ela descobriu o que não imaginava sobre o local (veja curiosidades ao lado), como os jabutis-tinga, que voltaram a viver na mata após 200 anos:

— O mais importante desse trabalho é lembrar que preservar e cuidar é mais fácil, mais barato e mais inteligente do que reconstruir. Refazer o que a natureza nos deu de graça é sempre mais complicado. Graças à ciência e ao amor dos pesquisadores, muito está sendo feito por este parque e esta floresta tão importantes para os moradores do Rio. A temperatura é menos elevada por causa do verde, o clima é melhor. E o Rio é muito mais maravilhoso, certamente!

Eclética e curiosa, Fernanda gosta de conhecer lugares para se conectar com a natureza. Na reportagem, ela se aventurou na trilha da Pedra da Gávea e no alto do Cristo.

— A trilha da Pedra da Gávea é a mais difícil do Rio. É uma caminhada longa, íngreme e teve um momento em que senti medo, mas os guias foram fundamentais — confessa a repórter, que sentiu no ponto mais alto do Cristo uma emoção inesperada: — Há uma energia muito forte lá em cima. Estar tão perto daquele monumento, que é nosso maior símbolo, foi especial, e agradeço por essa oportunidade.

Cinco curiosidades sobre o Parque Nacional da Tijuca

A Floresta da Tijuca foi replantada por escravos.

A mata tem influência direta na temperatura da cidade.

O Parque Nacional da Tijuca é o mais visitado do país.

Pontos turísticos como o Cristo Redentor e o Parque Lage estão dentro do Parque Nacional da Tijuca.

É possível encontrar jabutis e cutias soltos no parque.

Cinco curiosidades sobre o Cristo Redentor

O desenho original do Cristo Redentor não seria esse, de braços abertos: ele estaria segurando objetos com as mãos.

A frente da estátua está voltada para o leste, onde todos os dias o sol nasce.

O Cristo tem um coração.

A estátua foi construída com dinheiro do povo.

A primeira ideia era construir uma estátua especialmente para a Princesa Isabel, que, muito católica, queria fazer uma estátua para o “redentor de toda a humanidade”.