Gloria Maria, que apresenta o especial de Roberto Carlos, fala sobre si mesma a partir de músicas do Rei: ‘Eu sou terrível!’

Naiara Andrade
·3 minuto de leitura

Nesta terça-feira (22), a Globo exibe “Roberto Carlos — Emoções em Jerusalém”, show em 3D do Rei gravado na Terra Santa em 2011 e apresentado por Gloria Maria. Amiga do cantor de longa data, Gloria lembra das muitas emoções que viveu naquela noite. Entre elas, a surpresa de ter sido convidada pelo anfitrião a dançar com ele ao som de “Unforgettable”:

— Eu vivi um sonho! Roberto estava radiante naquele show! Cantou de uma maneira emocionada, como não fazia há muito tempo. Naquela plateia, tinham judeus, muçulmanos, brasileiros... Foi um momento de confraternização e de espiritualidade fortíssimas, um dos mais bonitos da minha vida. Eu já fiz milhões de outras coisas, mas, desta noite, sei que jamais vou me esquecer — afirma ela, vista frequentemente ao lado do Rei na Globo: — Eu já apresentei uns quatro ou cinco especiais do Roberto, durante esses anos todos, e participei de uns 15 ou 20, entrevistando ou fazendo alguma outra coisa. Ele costuma dizer que gosta de me ter por perto, que sou um talismã dele. E ele é o meu!

Leia mais:

Por tanta intimidade com Roberto, convidamos Gloria a revelar-nos um pouco da sua por meio de dez títulos de canções do Rei. Confira:

‘Amor perfeito’: “Amor é amor. Você não classifica como perfeito ou imperfeito, bom ou mau. Eu já tive muitos amores. Mas disso eu não falo”.

‘Como é grande o meu amor por você’: “Ah, pelas minhas filhas. Eu sempre cantei essa música pra elas, desde bebês. Era a canção de ninar da Laura e da Maria”.

‘Emoções’: “Eu não choro com facilidade. Quando eu vivi isso tudo (o tumor no cérebro), eu não derramei uma lágrima, não sou de me vitimizar. Agora, as minhas emoções, eu as vivo e as guardo comigo para sempre. É como Roberto diz: ‘Se chorei ou se sorri, o importante é que emoções eu vivi’. E eu sinto muito, a minha vida é feita só de emoções”.

‘É proibido fumar’: “Eu não fumo nem cigarro! Aquela reportagem na Jamaica que repercutiu foi um trabalho, tive que assinar um termo de compromisso para participar do ritual (a jornalista fumou maconha para uma matéria do “Globo repórter”, em 2016). Mas, graças a Deus, eu não fumo”.

‘Eu sou terrível’: “Ah, eu sou terrível mesmo! Muito mais do que imaginam. Sou rebelde, sou indomável... Mas sou livre, e pretendo morrer assim. Não estou nem aí pra cancelamento de internet. Eu não sou dessa época. Esse tipo de coisa que acontece hoje em dia não me atinge. Eu sou de um outro tempo, de um outro planeta. Cancelamento é uma coisa que não faz parte do meu show”.

‘Festa de arromba’: “O réveillon de 2000, que eu dei com a Narcisa (Tamborindeguy) foi realmente uma festa de arromba. A gente sacudiu o Rio de Janeiro. Festa como aquela nunca houve e nunca haverá, com certeza!”.

‘Proposta’: “Proposta indecorosa, nunca me fizeram. Mas, ousada, sim, e eu adorei todas! Só que essas a gente não conta, a gente aceita e guarda”.

‘Querem acabar comigo’: “Eu não ligo para más energias, porque sou cercada pelas boas. Inveja, geralmente, atinge quem é invejoso. Esse tipo de sentimento nunca fez parte da minha vida. E se já me desejaram o mal, a mim nunca chegou”.

‘Se você pensa’: “... que eu não vou sair dessa, desculpa, amor, mas já saí (risos)”.

‘Eu quero apenas (Um milhão de amigos)’: “Posso ter um milhão de conhecidos, mas amigos, são poucos e bons. Não tenho e acho que nem quero ter tantos assim”.