Gloria Pires celebra gravação com Nicette Bruno e Irene Ravache e cita emoção com final feliz de Lola

Como a Telinha adiantou, Irene Ravache e Nicette Bruno, que interpretaram Lola nas versões de 1977 e 1994 de “Éramos seis” gravaram uma participacão especial na novela das seis. As duas veteranas estão no núcleo do asilo, que a Lola de Gloria Pires decide se mudar. As gravações foram feitas antes de grandes medidas serem tomadas como prevenção contra o coronavírus. Por isso, o sentimento foi de emoção pelo momento, mas também muita pressão.

"Nicette Bruno e Irene Ravache, além de serem atrizes experientes e mulheres que sempre admirei, também interpretaram Lola nas outras versões da novela. Imaginem a emoção instalada no set, justamente no último dia de gravação, numa pressão enorme por conta do Covid-19. Uma vontade enorme de abraçar e beijar. Eu me senti uma privilegiada por todos esses contornos que tornaram esse encontro ainda mais especial", disse Gloria.

 

Enquanto Nicette interpretou Madre Joana, freira de um asilo, Irene interpreta Tereza, moradora do local que vai virar amiga da protagonista da novela. Mas se engana quem pensa que Lola ficará por lá. Afonso (Cássio Gabus Mendes) vai atrás da amada em busca de pedí-la em casamento. E ela vai aceitar.

"A Angela Chaves (a autora) conduziu essa trama tão conhecida com muita inteligência, relendo passagens que ressignificaram a trajetória de Lola. Não deixou de levá-la pelos caminhos tortuosos, mas com a possibilidade de um novo olhar. Acho que o público vai amar! Eu adorei e me emocionei muito", disse a protagonista, sobre o final feliz da personagem.