Gloria Pires torce por um final feliz para Lola, a sofrida protagonista de 'Éramos seis'

Isabella Cardoso
Lola (Gloria Pires) ao lado de Carlos (Danilo Mesquita) ,em seus últimos momentos

Lola (Gloria Pires) vem passando por poucas e boas desde o início de “Éramos seis”. Além dos problemas diários que toda família enfrenta, a protagonista teve que encarar a morte do marido, Júlio (Antonio Calloni), e, recentemente, perdeu também o filho mais velho, Carlos (Danilo Mesquita). Veterana em novelas, a atriz empresta toda sua sensibilidade às lutas, conquistas e dores da matriarca da família Lemos. Para ela, é difícil escolher qual cena a emocionou mais:

— Com Lola, cada semana é um desafio e uma emoção. Tudo me toca muito.

Os dramas da personagem, segundo Gloria, falam com o público de todas as idades. Além de emocionar os telespectadores, as cenas a preenchem com memórias e histórias de sua família.

— Eu me transporto para a época da minha avó, que viveu um pouco isso que Lola vive. Ela perdeu um filho jovem, ficou viúva com duas crianças para criar e passou por várias dificuldades. Eu me encho de orgulho porque estou aqui graças a ela. Essa coisa com os antepassados é muito forte nesse trabalho. Eu ando na cidade cenográfica e lembro do meu pai o tempo todo, das histórias que ele contava. Procuro trazer essa realidade — conta.

Assim como outras personagens da novela, Lola tem se mostrado uma mulher à frente de seu tempo. Com a garra de uma leoa, a protagonista tem feito o possível e o impossível para passar por cima dos problemas e manter sua família unida:

— Ela luta pela sobrevivência e aprende com a dor. É só assim que se vai adiante. Se ficar tudo certinho, a gente não tem porque se mexer. Ela é um exemplo lindo.

Com 50 anos de carreira, Gloria afirma que viver essa protagonista é uma homenagem a sua trajetória:

— Eu me sinto presenteada ao receber uma personagem como a Lola, que é icônica. Não sei se houve tantos remakes de uma novela como teve de “Éramos seis’’. É especial.

Justamente porque a novela já teve muitas versões é que o público questiona qual será o rumo do folhetim, se ele trará novidades ou manterá a história semelhante às anteriores. Nos outros remakes da trama, baseados no livro de Maria José Dupré, Lola não tem um final feliz. Um desfecho favorável à matriarca, no entanto, é o desejo de parte dos telespectadores. E da intérprete!

— Todo mundo quer um final feliz. Como estamos vivendo tempos muito difíceis, ninguém quer ver essa mãe padecer. As pessoas esperam que seja uma coisa diferente das outras versões e que seja para cima, que ela se realize, que tenha felicidade. Eu adoro e acho lindo. Estamos trabalhando nesse sentido — adianta Gloria.