Gol de Arrascaeta foi legal? Entenda como funciona a regra de toque de mão no futebol

Um dos lances mais polêmicos do futebol, a infração por toque de mão costuma mexer com as paixões e gerar calorosas discussões entre jogadores e árbitros, que se estendem às arquibancadas. Nesta terça-feira, o gol de Arrascaeta diante do Corinthians, pela Libertadores, onde a bola bate no braço de João Gomes, foi a mais recente. A regra, que é costumeiramente modificada no regulamento do jogo, tende a confundir aqueles que não estão atualizados sobre as últimas resoluções.

Saiba como o 'versátil' Oscar pode ser encaixado no atual Flamengo de Dorival Júnior

Vaza foto de Oscar com camisa do Flamengo, que espera sinal verde para fechar contratação

Quem apita — no sentido figurado da palavra — nas regras sobre o assunto, bem como de todas as outras regras do esporte, é a International Football Association Board (IFAB), órgão independente da Fifa fundado em 1886. Além da própria Fifa, que tem poder de voto de 50%, fazem parte do corpo da IFAB as federações dos países britânicos (Inglaterra, Gales, Irlanda e Irlanda do Norte), dada a origem do futebol.

Dorival alcança Paulo Sousa em número de jogos no Brasileirão com 'boom' no aproveitamento

Athletico recorre à procuradoria do STJD sobre lances de Gabigol e Arrascaeta, do Flamengo

As recomendações sobre toques de mão integram um item da regra 12 do manual do jogo, que fala sobre faltas e má conduta. Na 135ª reunião anual do órgão, em março do ano passado, o item ganhou atenção especial. O órgão considerou que várias marcações vinham sendo feitas de forma errônea, atualizou a regra e fez um comunicado aos corpos de arbitragem mundial.

"Como a interpretação de incidentes de toques na mão nem sempre foi consistente dadas as aplicações incorretas da regra, os membros confirmam que nem todo toque no braço ou na mão é uma infração. Em termos de critério, se o braço ou a mão de um jogador torna seu corpo "maior" de forma anti-natural, confirmamos que os árbitros devem continuar a usar seu julgamento para determinar a validade da posição da mão ou braço em relação ao movimento específico do jogador naquela situação", diz a nota da época.

As recomendações são curtas e preveem três tipos de infração: toques deliberados com o braço/mão na bola, toques no braço/mão quando o jogador os usa para aumentar o volume do corpo em movimento anti-natural (julgados assim pelo árbitro) e gols marcados com a mão ou após o toque de mão do marcador, mesmo que acidental. Por outro lado, a última atualização da regra desqualificou como infração uma situação de gol em que haja toque acidental antes da bola chegar ao marcador do tento.

Aplicação é complexa

O comentarista de arbitragem e ex-árbitro do quadro da Fifa Salvio Spinola explica que a principal mudança na regra nos últimos anos anos foi a troca entre duas palavras-chave: o toque de bola intencional virou toque de bola deliberado, ou seja, o risco assumido pelo jogador em seus movimentos na jogada.

— É uma regra simples, mas de difícil interpretação e implementação na dinâmica do jogo. No passado, a regra falava em tocar a mão na bola de forma intencional, então o árbitro tinha que julgar a intenção do jogador. Depois ela foi alterada para deliberada. São duas palavras-chave que temos que contextualizar.

Quanto aos toques de mão que acontecem após o toque em parte do corpo, Salvio explica que as marcações variam e devem ser baseadas na avaliação dos movimentos.

— Não tem verdade absoluta. A regra não é tão fácil, bateu no corpo, tem que marcar. A batida no corpo não elimina a possibilidade da mão. Depende da força da bola, da forma. Existe um termo que é muito usado na regra, o movimento adicional. Se o jogador faz um movimento desnecessário para aquele momento, mesmo que tenha batido na perna, o juiz vai ter que marcar.

E o VAR?

O ex-árbitro diz ainda que a Fifa tem tentado diminuir o número de marcações de por toque de mão após várias polêmicas sobre o assunto nos últimos anos. Ele destaca a importância do uso do VAR, a abitragem de vídeo, como ferramenta complementar ao ábitro de campo. A interação, ressalta, deve ser a de recomendação da sala do VAR pela ida ao monitor para o árbitro caso seja identificado um possível toque de mão não observado em campo. Caso o juiz tenha observado o lance e não tenha julgado como infração, o jogo segue.

— O árbitro não vê o ponto de contato da bola no corpo e do pé do adversário (em lances de falta). No VAR, a prioridade é ponto de contato. Naquele momento de velocidade, o árbitro não vê. Em campo, ele não olha com uma visão fechada (no lance em questão). Ele tem a visão ampla.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos