Goldman Sachs investe em startup brasileira Olist

FILIPE OLIVEIRA
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A startup curitibana Olist, que oferece sistemas para que pequenos negócios criem lojas virtuais e exponham seus produtos nas páginas de grandes empresas do setor, anunciou nesta quinta-feira (15) ter recebido R$ 144 milhões em investimento. Os recursos vieram do banco americano Goldman Sachs e do fundo Redpoint eventures, que já era investidor da startup. A companhia afirma que o valor complementa injeção de capital de R$ 310 milhões anunciada em novembro. Tiago Dalvi, sócio da empresa, diz que os novos investidores já vinham em conversas com a empresa durante as negociações do ano passado. A Olist tem como público-alvo o pequeno lojista, principalmente aquele sem experiência com tecnologia. Esse empresário foi muito afetado pela pandemia e viu no comércio eletrônico uma forma de preservar parte das vendas, o que acelerou a adoção de serviços como o da startup. A startup lançou em 2020 o serviço Olist Shop, que tem como objetivo permitir a criação de lojas virtuais em poucos minutos. Segundo a empresa, 200 mil companhias se cadastraram. O serviço de montagem de loja virtual era gratuito para todos até a última semana. Agora a empresa passou a ter um plano sem custo e outro de R$ 29,90 mensal, com mais funcionalidades. A principal linha de negócios da empresa, a conexão entre lojistas e os grandes marketplaces, como Mercado Livre e os mantidos pela B2W, cresceu duas vezes e meia no ano passado, segundo Dalvi. Neste caso, a companhia fica com comissão pelas vendas dos lojistas. O empresário diz que os recursos de investidores permitirão à empresa avançar no plano de adquirir outras startups para ampliar a oferta de serviços aos varejistas virtuais, em especial os financeiros e de tecnologia para gestão. A empresa também tem interesse em internacionalização. Em 2020, a Olist comprou a Clickspace, de tecnologia para comércio eletrônico, e a Pax, de Logística, que usa o serviço de motoristas autônomos para fazer entregas e prevê lançamento de centros de distribuição. Dalvi cita entre os fatores positivos de ser investido pelo Goldman Sachs a experiência do banco em abertura de capital fora do Brasil. Por outro lado, afirma que a startup ainda não tem previsão de realizar uma operação do tipo. A Olist foi fundada em 2015 e conta com cerca de 650 profissionais. A expectativa é terminar o ano com mil.