'Golpe do motoboy': polícia faz operação contra grupo que movimentou R$ 1,8 milhão

Quadrilha que aplicava 'golpe do motoboy' ostentava vida de luxo nas redes sociais. (Foto: Reprodução)
Quadrilha que aplicava 'golpe do motoboy' ostentava vida de luxo nas redes sociais. (Foto: Reprodução)
  • Golpes eram aplicados no Distrito Federal

  • Criminosos ligavam para vítima dizendo que um cartão havia sido clonado e que um motoboy iria pegar

  • Maioria das vítimas eram idosos

Uma operação da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) cumpriu quatro mandados de prisão preventiva e seis de busca e apreensão em cidades do estado do Rio de Janeiro para desarticular uma quadrilha de motoboys que aplicava golpes.

A investigação revelou que os criminosos ligavam para as vítimas, na maioria idosos, e se passavam por funcionários da central de segurança de algum banco. O criminoso afirmava que havia uma movimentação estranha no cartão da vítima, que dizia que não havia registro. Assim, alegavam que o cartão havia sido clonado e que seria necessário ligar para outro número, que também seria de um golpista. As informações são do portal G1.

O segundo golpista pedia a senha do cartão para bloqueá-lo e dizia que um motociclista iria passar em sua casa para recolher o cartão para que passasse por uma perícia.

A operação teve apoio da Polícia Civil do Rio. Segundo os investigadores, os integrantes da quadrilha ostentavam uma vida de luxo nas redes sociais, com viagens internacionais e hotéis caros.

Entre as vítimas está uma idosa, de 82 anos, que vive no Lago Sul, em Brasília. Ela perdeu R$ 15 mil no golpe. Ela é uma das quatro vítima já identificadas no Distrito Federal, que sofreram o golpe entre os dias 25 e 29 de julho. O prejuízo conjunto foi de R$ 200 mil.

No entanto, a ação do grupo era bem maior. Os suspeitos, com idade entre 25 e 42 anos, atuaram durante quatro meses, período no qual movimentaram cerca de R$ 1,8 milhão. Eles devem responder por associação criminosa, lavagem de dinheiro e estelionato.