Golpe não é mais delírio paranoico, afirma Gustavo Franco

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, BRASIL, 18.04.2018 - Entrevista com o economista Gustavo Franco. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress) ORG XMIT: AGEN1804181436778758
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, BRASIL, 18.04.2018 - Entrevista com o economista Gustavo Franco. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress) ORG XMIT: AGEN1804181436778758

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em meio às expectativas quanto aos atos de raiz golpista marcados para esta terça-feira (7), já há no mercado financeiro quem veja a possibilidade de um golpe de Estado como algo factível.

Em carta aos investidores, Gustavo Franco, sócio da gestora Rio Bravo e ex-presidente do Banco Central, escreve que a atmosfera política pesada, reflexo das tensões provocadas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) contra ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), prejudica a economia.

“Fala-se até de golpe, o que, infelizmente, já não é mais tomado como delírio paranoico”, escreve Franco.

O executivo aponta ainda que as tensões entre os Poderes devem se estender até as manifestações a favor do governo. Há certa apreensão sobre a presença maciça de policiais armados entre os manifestantes, e não tanto entre os que vão reprimir os excessos dos manifestantes, diz o ex-presidente do BC.

“Não é claro se isso estava nos cálculos do presidente, se é que existe esse cálculo”, afirma o economista no documento.

O ex-presidente do BC considera como uma “irresponsabilidade absoluta” o escalonamento recente das tensões. “A economia sofre, os mercados apanham e a ansiedade é tão generalizada quanto desnecessária.”

Franco diz ainda que os resultados dos atos desta terça e do próximo domingo (12), quando está marcado protesto contra o governo, são importantes para dar o tom do restante do mandato presidencial.

“Parece ter se antecipado a já esperada paralisação das agendas econômicas reformadoras em consequência das divisões decorrentes, em última instância, da eleição presidencial que se aproxima.”

Segundo o sócio da Rio Bravo, enquanto o país e o mercado esperam a sequência de iniciativas capaz de promover um recuo coordenado, a política econômica vai perdendo qualquer lógica e funcionalidade.

Franco lembra ainda que as sinalizações recentes que vêm do exterior são positivas, com a continuidade do ambiente estimulativo por mais algum tempo. “O problema é local, e político.”

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos