“Golpe pegou todo mundo de surpresa”, conta embaixadora do Brasil em Burkina Faso

·2 min de leitura

A situação está relativamente calma em Burkina Faso nesta quarta-feira (26), dois dias após o golpe de Estado que derrubou o presidente Roch Marc Christian Kaboré. A população apoia a retirada do chefe de Estado, que vinha sendo contestado por sua gestão da luta contra o terrorismo no país. Mesmo assim, a queda de Kaboré foi uma surpresa, de acordo com a embaixadora do Brasil em Ouagadougou.

Com informações de Miguel Martins

Uma reunião de cúpula extraordinária com representantes da Comunidade dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) está prevista para sexta-feira (28) e deve discutir a situação de Burkina Faso após o golpe militar. Mas nas ruas do país a população retoma aos poucos a vida normal.

Centenas de manifestantes chegaram a protestar na capital na terça-feira (25). Alguns carregavam bandeiras russas, em referência à cooperação com Moscou ativa há vários meses. Mas “os estrangeiros não se sentem ameaçados a ponto de quererem sair daqui”, resume a embaixadora do Brasil em Ouagadougou, Ellen Barros. Ela explica que a população “está apoiando os militares”.

“Esse golpe foi imprevisível. Pegou todo mundo de surpresa”, relata a diplomata. “Era crescente a insatisfação com a gestão da luta contra o terrorismo pelo governo. Mas não a ponto de que houvesse um golpe”, avalia.

A embaixadora conta que o comércio está funcionando e que as fronteiras, que chegaram a ser fechadas pelos militares na segunda-feira, já foram reabertas. “Está sendo uma transição pacífica”, aponta.

Presidente segue detido

Ao prenderem o presidente, os soldados uniformizados que anunciam na televisão nacional a tomada do poder prometeram "retornar à ordem constitucional" dentro de um "período de tempo razoável".


Leia mais

Leia também:
Em Perpignan, RFI premia projeto fotojornalístico digital sobre milícias em Burkina Faso
Burkina Faso: piores ataques jihadistas desde 2015 deixam ao menos 160 mortos
Especialistas analisam por que mulheres foram alvo de ataque em Burkina Faso

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos