Golpes com falsos apps de ensino cresceram 60% no último semestre

Extra
·1 minuto de leitura

O número de ataques virtuais que se utilizam de falsos aplicativos de aprendizagem cresceu 60% no segundo semestre de 2020, segundo levantamento global realizado pela Kaspersky. De julho a dezembro do ano passado, 270.171 pessoas tiveram contato com arquivos maliciosos ao tentar baixar programas para aulas online em sites fraudulentos, contra 168.550 tentativas de ataques no semestre anterior. O aumento estaria relacionado à popularização das aulas remotas, em razão da pandemia de Covid-19.

De acordo com o relatório, os criminosos se utilizam de aplicativos conhecidos, como o Zoom e o Google Meets. Anton Ivanov, especialista em segurança da Kaspersky, explica que, normalmente, os usuários encontram as ameaças por meio de instaladores de aplicativos falsos. Estes podem ser encontrados em sites fraudulentos criados para se parecer com a plataforma original, ou em e-mails disfarçados com ofertas especiais ou notificações da plataforma.

O relatório destaca ainda que cerca de 98% das ameaças encontradas não eram vírus – estavam divididas entre riskware e adware. Este último bombardeia os usuários com anúncios indesejados, enquanto o riskware consiste na instalação de arquivos diversos – desde barras de navegadores e gerenciadores downloads, a ferramentas de administração remota capazes de invadir o computador da vítima. Os trojans representaram aproximadamente 1% das ameaças encontradas.

Como se proteger dos ataques virtuais

- Não baixe nenhuma versão não oficial ou modificação desses aplicativos/plataformas. Procure informações sobre o desenvolvedor e escolha somente as lojas de aplicativos oficiais;

- Use senhas fortes e diferentes para cada conta;

- Antes de baixar qualquer aplicativo, confirme se está mesmo no site oficial da empresa. Sites falsos podem ter uma aparência exatamente igual à dos reais. Por isso, verifique o formato da URL e a ortografia do nome da empresa antes de fazer qualquer download.