Golpistas espancam policial a cavalo durante ataques em Brasília

"Vamos descobrir quem foram os financiadores e todos pagarão com a força da lei esse gesto de irresponsabilidade", assegurou Lula

Bolsonaristas espancaram policial durante ataque golpista à Esplanada dos Ministérios, em Brasília, neste domingo (8) (Foto: SERGIO LIMA/AFP via Getty Images)
Bolsonaristas espancaram policial durante ataque golpista à Esplanada dos Ministérios, em Brasília, neste domingo (8) (Foto: SERGIO LIMA/AFP via Getty Images)

Bolsonaristas espancaram um policial durante a invasão golpista à Esplanada dos Ministérios, que aconteceu neste domingo (8) em Brasília. Em um vídeo divulgado nas redes sociais, é possível ver o agente ser derrubado do cavalo em que estava e agredido com cassetetes.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Durante os ataques, no entanto, parte do efetivo da Polícia Militar do Distrito Federal foi flagrado sorrindo e tirando selfies, agindo de forma omissa em relação à invasão ao Congresso Nacional, ao Palácio do Planalto e ao Supremo Tribunal Federal (STF) que, até o momento, resultou na prisão de 150 pessoas por depredação do patrimônio público.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Em Araraquara, interior de São Paulo, para discutir medidas e soluções para as chuvas que atingiram a cidade nos últimos dias, o presidente Lula discursou sobre o acontecido e decretou intervenção federal no Distrito Federal. Ricardo Garcia Cappelli, secretário-executivo do Ministro da Justiça Flávio Dino, será o interventor e cuidará da segurança em Brasília, a princípio, até o próximo dia 31 de janeiro.

"A democracia garante o direito de liberdade, mas também exige que as pessoas respeitem as instituições que foram criadas para fortalecer a democracia", declarou o presidente, que havia viajado para Araraquara, no interior de São Paulo, e não estava no Planalto no momento do ataque.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"As pessoas que chamos de fascistas... Essas pessoas que podemos chamar de fascistas fanáticos invadiram a sede do governo e a Suprema Corte. Como verdadeiros vândalos, destruindo o que importava pela frente", continuou Lula.

"Vamos descobrir quem foram os financiadores e todos pagarão com a força da lei esse gesto de irresponsabilidade", assegurou o presidente. "É preciso que essas pessoas sejam punidas de forma exemplar para que nunca mais ousem, com a bandeira nacional nas costas, fingindo-se brasileiros, repetirem o que fizeram hoje."

Presidente da Câmara dos Deputados, o deputado federal Arthur Lira (PP-AL) disse que "os responsáveis que promoveram e acobertaram" os atos de vandalismo em Brasília neste domingo (8) devem ser identificados e punidos na forma da lei.

Em sua conta no Twitter, Lira disse que o Congresso Nacional "jamais negou voz a quem queira se manifestar pacificamente, mas nunca dará espaço para a baderna, a destruição e vandalismo".