Google anuncia gerador de imagens que usa inteligência artificial

Google lançou o Imagen nesta segunda-feira (23)
Google lançou o Imagen nesta segunda-feira (23)
  • Imagen foi anunciado nesta segunda-feira e já desbancou outros softwares similares;

  • Google disse que apesar de estarem felizes com os resultados, ainda há problemas no algoritmo;

  • Dentre as imagens estão imaginações criativas como "um corgi fofo morando em uma casa feita de sushi".

Os entusiastas de arte digital, computação gráfica e de inteligência artificial já notaram a mais nova tendência que vem se apresentando na interseção desses mundos: geradores de texto para imagem.

Esses programas fazem exatamente o que o nome diz. Você descreve a imagem e ele é capaz de gerar com uma certa precisão o que você quis dizer. Existem ainda uma variedade de estilos que se pode introduzir no processo de criação dessas imagens. Elas podem parecer que foram pintadas a óleo, feitas a partir de computação gráfica, ou até mesmo se assemelhar a fotografias.

Até então, o líder nesse campo era o DALL-E, criado pelo laboratório comercial de inteligência artificial OpenIA. Ontem, no entanto, o Google anunciou seu próprio software de geração de imagens, o Imagen, e ele superou o DALL-E na qualidade de suas criações.

Imagen

As imagens criadas pelo Google podem ser vistas através do link https://imagen.research.google/. No site ainda é possível participar de um mini-jogo, onde pode-se ir selecionando termos e criando uma imagem, com as pré-renderizações já criadas pelo Google.

A princípio as imagens espantam pela sua qualidade, precisão e variedade. Há, por exemplo, "um corgi fofo morando em uma casa feita de sushi" e "uma foto de um guaxinim usando um capacete de astronauta e olhando pela janela à noite", todas conseguindo reproduzir exatamente o que está em nossas cabeças.

É importante ressaltar, no entanto, que os pesquisadores sempre tentam divulgar seus melhores resultados. Logo, embora as imagens pareçam perfeitas, elas não necessariamente representam a qualidade média das imagens produzidas. Em outros programas é comum que o produto final sejam imagens que parecem inacabadas, manchadas ou borradas.

Problemas na inteligência artificial

O Google se antecipou às críticas que seu programa pode encontrar no futuro, como a manipulação mal intencionada e escassez de diversidade no banco de dados da inteligência artificial.

A empresa decidiu não divulgar o código base do Imagen, temendo que o programa possa ser usado para aplicações mais problemáticas, como a fabricação de notícias falsas ou em casos de assédio. Foi o que aconteceu assim que surgiu a tecnologia dos "deepfakes", programas que conseguiam fabricar vídeos de celebridades ou de qualquer outra pessoa que tivesse bastante material em foto ou vídeo online.

Outro grande problema apontado pelo Google foi os vieses existentes nos bancos de dados. Ao utilizar dados captados da internet, o software acaba por reproduzir diversos "estereótipos sociais, pontos de vista opressivos e associações depreciativas ou prejudiciais a grupos de identidade marginalizados", apontou a empresa.

A gigante da tecnologia não entrou em muitos detalhes sobre o conteúdo preocupante gerado pelo Imagen, mas afirmou que o modelo “codifica vários preconceitos e estereótipos sociais, incluindo um viés geral para gerar imagens de pessoas com tons de pele mais claros e uma tendência para imagens retratando diferentes profissões para se alinhar com os estereótipos de gênero ocidentais”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos