Google chega a acordo de US$ 391,5 milhões com 40 estados em caso de dados de usuários nos EUA

O Google chegou a um acordo com 40 estados americanos no qual concorda em pagar US$ 391,5 milhões para encerrar as investigações sobre a forma como coleta dados de seus usuários.

Este é o maior acordo alcançado com os estados sobre proteção de informações pessoais nos Estados Unidos, de acordo com um comunicado de imprensa do procurador-geral de Nova Jersey.

Segundo este grupo de estados, o gigante da Internet violou o direito à confidencialidade dos consumidores ao recolher dados de geolocalização sem a sua autorização, para fins publicitários.

"Com base nas melhorias que realizamos nos últimos anos, encerramos essa investigação que se baseava em regras desatualizadas, que mudamos há anos", disse um porta-voz do Google à AFP.

"O Google não pode fingir que fornece aos usuários ferramentas para controlar suas informações pessoais e depois ignorar esses recursos para coletar e vender dados a anunciantes, contrariando o pedido expresso dos usuários da Internet", disse Matthew Platkin, procurador-geral de Nova Jersey, citado no comunicado.

Segundo o acordo, o Google terá que indicar com mais clareza quais dados de geolocalização serão coletados.

O Google, como outras empresas do Vale do Silício, recebe críticas por seu modelo econômico que consiste na venda de espaços publicitários para os quais depende dos dados que o grupo obtém dos internautas, desde os sites que navegam até o uso que fazem de aplicativos gratuitos.

juj/jum/mr/gm/ap