Google Chrome corrige falhas no modo de navegação anônima

Redação
A Google está investigando o gerenciamento do código-fonte do Chromium Gerrit e criará um sistema virtual usando RAM para garantir que ele seja excluído assim que o usuário saia do modo de navegação anônima

Se você utiliza a navegação anônima do Google Chrome para manter a privacidade online, saiba que o browser possui uma falha que permite detectar o uso dessa ferramenta, ou seja, o que deveria ser privado pode ser burlado sem que o usuário perceba.

Basta apenas uma pesquisa no Google para encontrar vários resultados sobre como descobrir se o usuário está navegando de maneira anônima ou não, com o Stack Overflow contendo uma infinidade de soluções. Geralmente, basta verificar se a API “FileSystem” está ativada no navegador do usuário ou não — em caso negativo, isso significa que o modo incógnito está habilitado. Sabendo disso, os sites que fazem essa verificação — a grande maioria de jornais e veículos de comunicação que adotam paywall — conseguem burlar um dos principais propósitos desse modo, que é justamente não criar nem armazenar arquivos que possam identificar o usuário na web.

Com a API desabilitada, os sites não conseguem criar arquivos temporários no sistema, mas acabam "contornando" a situação criando arquivos permanentes no dispositivo de armazenamento. A proposta do Google, encontrada no código-fonte do Chromium Gerrit, é sempre que receber uma solicitação para criar um novo arquivo, fazer isso num sistema virtual usando a memória RAM. Dessa forma, sempre que o usuário fechar o navegador, o sistema consegue garantir que todos os arquivos serão excluídos, desativando facilmente todos os métodos atuais para detectar se o Chrome está incógnito.

Fonte: Canaltech