Google e YouTube proíbem negacionismo climático em suas plataformas

·1 minuto de leitura
Iniciativa tem como objetivo combater desinformação sobre mudanças do clima (Foto: Pixabay)
Iniciativa tem como objetivo combater desinformação sobre mudanças do clima (Foto: Pixabay)
  • Plataforma anunciou mudança no dia 7 de outubro

  • Anúncios e vídeos com fake news serão desmonetizados

  • A política entra em vigor no próximo mês, mas ainda não tem data oficial

O Google anunciou que não vai permitir a divulgação de informações falsas sobre negacionismo climático. Além de proibir anúncios nos resultados de buscas, canais do Youtube que promoverem este tipo de conteúdo não poderão ser monetizados. 

“Estamos anunciando uma nova política de monetização para anunciantes do Google, editores e criadores do YouTube que proibirá anúncios e monetização de conteúdo que contradiga um consenso científico bem estabelecido sobre a existência e as causas das mudanças climáticas”, diz o texto.

Leia também:

O anúncio ocorre três semanas antes do 26º encontro da Conferência das Partes da Convenção, a COP26. A próxima edição será na cidade de Glasgow, na Escócia, entre 31 de outubro e 12 de novembro de 2021. 

A desinformação sobre as mudanças climáticas circulam pelas redes sociais deve ser uma das pautas do evento. Apontado como o maior negacionista climático do mundo, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chegará isolado na Cúpula do Clima.

Além de criadores de conteúdo, a política que entra em vigor no próximo mês, também vale para anunciantes e editores do Google e YouTube.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos