Google pagará quase US$400 mi para encerrar investigação de rastreamento de localização

Por Diane Bartz e David Shepardson e Karen Freifeld

WASHINGTON (Reuters) - O Google, da Alphabet, pagará 391,5 milhões de dólares para resolver alegações de 40 Estados norte-americanos de que a empresa rastreou ilegalmente a localização dos usuários, disse o gabinete do procurador-geral de Michigan nesta segunda-feira.

A investigação e o acordo, liderados por Oregon e Nebraska, são um sinal de crescentes dores de cabeça legais para a gigante da tecnologia por procuradores-gerais estaduais que atacaram agressivamente as práticas de rastreamento de usuários nos últimos meses.

Além do pagamento, o Google deverá ser mais transparente com os consumidores sobre quando o rastreamento de localização está ocorrendo e fornecer aos usuários informações detalhadas sobre dados de geolocalização em uma página especial da web, disse o escritório do procurador-geral de Iowa.

“Quando os consumidores tomam a decisão de não compartilhar dados de localização em seus dispositivos, eles devem poder confiar que uma empresa não rastreará mais todos os seus movimentos”, disse o procurador-geral de Iowa, Tom Miller, em comunicado. “Este acordo deixa claro que as empresas devem ser transparentes na forma como rastreiam os clientes e cumprem as leis de privacidade estaduais e federais”.

O porta-voz do Google, Jose Castaneda, disse: "Consistente com as melhorias que fizemos nos últimos anos, resolvemos essa investigação baseada em políticas de produtos desatualizadas que alteramos anos atrás".

O Google teve receita de 111 bilhões de dólares com publicidade no primeiro semestre deste ano, mais do que qualquer outro vendedor de anúncios online. A geolocalização de um consumidor é fundamental para ajudar um anunciante com anúncios mais relevantes para atrair a atenção do consumidor.