Google terá que indenizar político australiano por vídeos difamatórios no YouTube

O Tribunal Federal da Austrália condenou o Google a pagar mais de 500.000 dólares por danos a um político após considerar que ele sofreu difamação por vídeos postados na plataforma YouTube, que pertence ao gigante americano da internet.

Em uma série de publicações em 2020, o comediante Jordan Shanks acusou de corrupção o então primeiro-ministro de Nova Gales do Sul, John Barilaro, imitando um sotaque italiano para ironizar suas origens.

Barilaro, que se aposentou da política este ano, alegou que os vídeos eram racistas e o deixaram traumatizado. Ele denunciou a empresa americana por não retirar os vídeos ofensivos quando seus advogados enviaram uma petição em dezembro de 2020.

O tribunal considerou que a publicação dos vídeos na plataforma do Google levaram à renúncia prematura do político e "o traumatizaram consideravelmente".

Em sua análise, o tribunal destaca que Shanks "precisava do YouTube para disseminar seu veneno" e afirma que o Google estava disposto a unir-se ao comediante "para obter receita como parte de seu modelo de negócios".

A AFP procurou o Google para comentar o caso, mas não recebeu resposta até o momento.

Barilaro concluiu no fim do ano passado um acordo extrajudicial com o comediante, que se comprometeu a pedir desculpas publicamente e a editar os vídeos que registraram mais de um milhão de visualizações no YouTube.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos