Gordura no fígado: conheça os sintomas da doença que afeta pelo menos 30% da população

Apesar de nem sempre apresentar sintomas, o cansaço e o desconforto abdominal podem sinalizar um fígado gorduroso. Conhecido também como esteatose hepática, estima-se que a doença atinja pelo menos 30% da população. Ela acontece quando há o acumulo de gordura nos hepatócitos — células do fígado.

Covid-19: nova subvariante BQ.1 da Ômicron já começou a circular no Brasil

Fiocruz: estudo aponta aumento nos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave em adultos

Mesmo inicialmente silenciosa, quando o acumulo da gordura acontece por um longo tempo, pode evoluir e inflamar, causando outras doenças hepáticas, como a fibrose e a cirrose.

Existem quadros clínicos que são fatores de risco para a doença — que pode ser classificada como alcóolica e não alcoólica —, como a obesidade, colesterol alto e diabetes. O risco acontece, pois, condições como essas provocam um acumulo de gordura nas células do fígado, forçando o organismo a ter que sintetizar mais gorduras e, com isso, passa a elimina-la de forma mais lenta.

Varíola dos macacos: Estado do Rio registra duas novas mortes; total no Brasil chega a 11

Mas não é apenas consumir comida gordurosa que causa a gordura no fígado. Pessoas magras e sem alteração no colesterol também podem desenvolver a doença. Até mesmo mulheres grávidas, quando, raramente, acontece o acumulo de gordura no órgão.

A gordura no fígado quase nunca provoca sintomas, pessoas com quadros leves geralmente são assintomáticas. Os sinais começam a aparecer com a evolução da doença, vão desde dor, cansaço e fraqueza até perda de apetite e aumento do fígado — o médico chega a conseguir apalpar o órgão. Em casos mais graves há acumulo de líquido no abdômen, hemorragias e confusão mental, por exemplo.

Taxa de testes positivos para Covid-19: Percentual cresce de 3% para 17% em apenas um mês no Brasil

A gordura em excesso no fígado não é necessariamente grave quando identificada e tratada. Mas quando não for corrigida, a doença poderá ter consequências mais graves. Mulheres grávidas precisam ter atenção, pois o prognóstico, geralmente, é pior.

*Sob supervisão de Adriana Dias Lopes