Governador do Ceará é responsável por onda de violência, diz Mourão

Equipe HuffPost
Onda de violência no Ceará entra no 11º dia neste sábado.

O vice-presidente, general Hamilton Mourão, disse, em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo, que o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), é responsável pela onda de violência no Ceará, que entrou no seu 11º dia neste sábado (12).

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, autorizou recentemente o envio de cerca de 500 membros da Força Nacional para ajudar a conter os ataques em várias cidades.

Na madrugada deste sábado, uma torre de transmissão de energia em Maracanaú, na região metropolitana de Fortaleza, foi derrubada, e os criminosos explodiram uma bomba em uma concessionária de veículos na capital.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública e Defesa (SSPDS) do estado, mais de 300 pessoas tinham sido presas até esta sexta-feira.

“Na minha opinião, o governador do Ceará não estava a cavaleiro da situação. O dado que nós temos é que parcela significativa da Polícia Militar estava de férias, em um período conturbado”, disse Mourão na entrevista.

“Se a PM tem 100 de efetivo e nós temos 12 meses no ano, só podem ter 8 a 9 de férias por mês. É uma matemática simples, não é? Então acho que o governador andou falhando nisso aí e, obviamente, pediu reforço da Força Nacional. Agora, a questão do Ceará tem de ser resolvida, em primeiro lugar, por ele”, completou.

Antes, Santana havia dito, em entrevista à Rádio O Povo/CBN, de Fortaleza, que que as leis do Brasil eram “muito frouxas”, e que era preciso revê-las. “Você bota uma bomba num viaduto e era para ser enquadrado como terrorista, pegar mais tempo de prisão, mas hoje não é assim.”

O governo do Ceará não divulga um número oficial de ocorrências, mas estima-se que mais de 150 atos criminosos tenham sido registrados nos últimos 10 dias. 

Técnicos avaliam estado da torre de transmissão de energia que foi derrubada por criminosos na madrugada de sábado.

Na sexta-feira (11), o petista havia anunciado, pelas redes sociais, algumas medidas, como a criação da chamada Lei da Recompensa, pela qual o estado pagaria por informações que resultem na prevenção de...

Continue a ler no HuffPost