Governador da Bahia decreta toque de recolher entre 22h e 5h

JOÃO PEDRO PITOMBO
·2 minuto de leitura

SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) - Com o avanço do número de casos da Covid-19 nas últimas semanas, o governador da Bahia, Rui Costa (PT) decretou toque de recolher entre às 22h e 5h na maior parte do território baiano a partir desta sexta-feira (19). A circulação de pessoas nas ruas e funcionamento de serviços não essenciais será proibido neste horário em toda a Bahia, exceto nas regiões oeste, de Irecê e Jacobina, que apresentam os três menores índices de ocupação de leitos para Covid-19 o estado. O anúncio foi feito pelo governador Rui Costa na tarde desta terça-feira (16), em após uma reunião com prefeitos e técnicos da secretaria de Saúde. O decreto valerá inicialmente por sete dias. "É uma medida que precisamos tomar para conter as taxas de contágio e o número de casos ativos que hoje ultrapassam 15 mil. É uma forma de conter o avanço desse número alarmante que, se continuar crescendo, irá levar ao total colapso do sistema de saúde", disse o governador. Caso haja descumprimento do toque de recolher, a Polícia vai autuar pessoas e estabelecimentos comerciais por crime contra a saúde e ordem pública. As pessoas que descumprirem o decreto serão conduzidas à delegacia, onde será registrado o procedimento e encaminhado ao Ministério Público para abertura de processo criminal. Também será solicitado que as prefeituras cassem o alvará de funcionamento dos estabelecimentos que desrespeitem o decreto. A Bahia registrou nesta terça-feira (16) uma ocupação de 74% dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para pacientes com Covid-19. O retorno das aulas presenciais na Bahia, que havia sido autorizado pela Justiça, foi derrubado após nova decisão judicial. O governador Rui Costa afirmou que, para a volta às aulas, é preciso reduzir o número de casos ativos da Covid-19, o número de mortes pela doença e as taxas de ocupação de leitos. "Definimos que esses critérios são os requisitos mínimos necessários para que possamos ter um retorno sem colocar em risco a vida de nossos professores, pais, alunos e todos os seus familiares", disse o governador.