Governador Rodrigo Garcia, derrotado no 1º turno em SP, declara apoio a Bolsonaro

Presidente Jair Bolsonaro em Brasília

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - O governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB), derrotado em primeiro turno em sua tentativa de reeleição no domingo, declarou nesta terça-feira apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL) no segundo turno da eleição presidencial contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Em encontro com o presidente em São Paulo, Garcia também anunciou apoio ao candidato bolsonarista ao governo paulista, Tarcísio de Freitas (Republicanos), que terminou em primeiro lugar no primeiro turno.

"Apoio incondicional ao presidente Bolsonaro e ao Tarcísio", disse Garcia ao lado do presidente na capital paulista, onde Bolsonaro participará de eventos com evangélicos.

Garcia, que era vice de João Doria (PSDB), desafeto de Bolsonaro, assumiu o governo paulista em março com a renúncia de Doria, que tentou sem sucesso viabilizar uma candidatura à Presidência.

Indagado se conversou com Doria sobre o apoio a Bolsonaro, Garcia afirmou: "Comuniquei ao presidente nacional (do PSDB) Bruno Araújo e ao presidente estadual Marco Vinholi".

Bolsonaro agradeceu o apoio de Garcia, afirmando que era "muito bem-vindo", e disse ter "políticas complementares" às do tucano, embora a relação do governo federal sob Bolsonaro com o governo paulista sob Doria, que tinha Garcia como vice e como secretário de Governo, tenha sido de embates e tensionamento constantes, especialmente durante o auge da pandemia de Covid-19.

Garcia terminou o primeiro turno da disputa pelo governo de São Paulo em terceiro lugar, com 18,4% dos votos válidos. Tarcísio, que trocou farpas com Garcia por toda a campanha, ficou em primeiro com 42,32% e fará o segundo turno no dia 30 de outubro dom Fernando Haddad (PT), que teve 35,7%.

Com a derrota de Garcia, chega ao fim um período de 28 anos de governos do PSDB em São Paulo, iniciado com a eleição de Mario Covas, já falecido, em 1994.

Mais cedo, em Brasília, Bolsonaro já havia recebido as declarações de apoio do governador reeleito de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), e do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL), seu colega de partido. O presidente disse ainda ter conversado com os governadores reeleitos em primeiro turno de Goiás, Ronaldo Caiado (União Brasil), e do Paraná, Ratinho Junior (PSD).