Governadora interina do DF diz que caberá a Dino e interventor escolher novo secretário de segurança pública

A governadora em exercício do Distrito Federal, Celina Leão (PP), disse nesta terça-feira que o governo federal indicará toda a cúpula da Secretaria de Segurança Pública para seguir os trabalhos após o fim da intervenção em vigor desde os atos golpistas de 8 de Janeiro. A preocupação neste momento é garantir a segurança da posse de deputados e senadores, marcadas para o dia 1⁰ de fevereiro. No dia dos ataques, os terroristas invadiram e destruíram os prédios do Congresso, Palácio do Planalto e do Supremo Tribunal Federal.

Leia mais: Assessor de deputado estadual do PL é alvo de operação no RJ por financiar atos terroristas

Saiba: Moraes derruba conta do Tik Tok de servidor do Tesouro Nacional suspeito de incentivar atos golpistas

Pelo decreto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a intervenção federal terminará no dia 31 de janeiro e, segundo a governadora, não há previsão de ser estendida.

Celina Leão diz que tem conversado com o ministro da Justiça, Flávio Dino, e com o interventor Paulo Cappelli sobre a continuidade dos trabalhos e a manutenção da equipe que assumiu a Segurança Pública após os atos. Segundo ela, o grupo está fazendo o planejamento para o dia da posse dos parlamentares e início do ano legislativo.

— Vamos dar toda a continuidade para que no dia 1º, nas posses dos deputados federais, a gente tem todo um planejamento de segurança, que começa a ser feito agora. Estamos nesse período de transição e de afinidade para que a gente não tenha nenhuma surpresa e darmos toda a tranquilidade para esse dia, que é o dia da democracia que nossos senadores e deputados federais tomarão posse — disse a governadora durante o lançamento de obras de um viaduto no Jardim Botânico.

A antecipação do fim da intervenção não está descartada, como já havia afirmado o ministro da Justiça. A governadora diz que tem o compromisso de acatar todos nomes indicados pelo governo federal para a cúpula da Secretaria de Segurança do DF.

— Até o secretário será escolhido pelo governo federal. Eles têm dialogado conosco, colocado a possibilidade de vários nomes. O que deixar o governo federal mais confortável, nós teremos toda a firmeza para mantermos o nome — disse.