Governadores acertam cota extra de vacinas para o Amazonas, diante do colapso em Manaus

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
TOPSHOT - Witoto's Indigenous Nurse Vanda Ortega (C) is seen showing her vaccine certificate after becomimg the first person to be inoculated with the Sinovac Biotech's CoronaVac vaccine against Covid-19 in Manaus, Amazonas state, Brazil, on January 18, 2021. (Photo by Marcio JAMES / AFP) (Photo by MARCIO JAMES/AFP via Getty Images)
TOPSHOT - Witoto's Indigenous Nurse Vanda Ortega (C) is seen showing her vaccine certificate after becomimg the first person to be inoculated with the Sinovac Biotech's CoronaVac vaccine against Covid-19 in Manaus, Amazonas state, Brazil, on January 18, 2021. (Photo by Marcio JAMES / AFP) (Photo by MARCIO JAMES/AFP via Getty Images)

Na noite de quinta-feira (21), governadores de pelo menos 22 estados acertaram o repasse para o Amazonas de uma cota extra das vacinas que devem receber nos próximos dias. A informação foi divulgada no blog da jornalista Andreia Sadi, do G1.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deve liberar o uso emergencial de mais de 4,5 milhões de doses da Coronavac nesta sexta-feira (22), e 2 milhões de vacina da Oxford/Astrazeneca devem chegar ao país.

Leia também

A intenção é que o Amazonas receba uma parte maior de doses, devido à “transmissibilidade alta” de casos da covid-19 e da gravidade da situação.

Segundo o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), que participou de um grupo de trabalho que discute o colapso do sistema de saúde de Manaus, a proposta dos governadores é que o Amazonas fique com 5% do total de novas doses e os demais estados façam rateio proporcional do restante.

“O que vou defender aqui é uma questão humanitária. Participei agora do grupo de trabalho sobre Manaus e situação é muito séria e já se espalha na região", disse.

O grupo de trabalho que acompanha a tragédia em Manaus é composto por governadores de estados como Piauí, Alagoas, São Paulo, Rio de Janeiro, entre outros, técnicos da região e do Ministério da Saúde.

Dias afirmou também que não houve oposição à proposta, nem por parte dos integrantes do ministério.