Governadores de cinco estados nomeiam parentes para secretarias

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 09.01.2023 - O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 09.01.2023 - O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) - Ao menos cinco governadores que tomaram posse em janeiro nomearam parentes para o primeiro escalão de suas respectivas administrações.

O de Alagoas, Paulo Dantas (MDB), é o que mais terá familiares em sua gestão: nomeou a filha, uma prima e uma tia para cargos.

A filha, a médica Paula Dantas, foi nomeada para a Secretaria Extraordinária da Primeira Infância, cargo recém-criado pelo governador para o novo mandato.

A deputada estadual Carla Dantas, prima do governador, é a nova secretária de Agricultura de Alagoas. Já Samya Suruagy, que é tia do governador e procuradora concursada, foi reconduzida para o comando da Procuradoria-geral do Estado.

Em Sergipe, o governador Fábio Mitidieri (PSD) escolheu sua mulher, a empresária Érica Mitidieri, para assumir a Secretaria de Assistência Social e Cidadania.

Governadores reeleitos de Rondônia e Roraima também mantiveram em secretarias parentes que já ocupavam cargos no primeiro mandato.

Em Rondônia, o governador Marcos Rocha (União Brasil) renomeou sua mulher, Luana Nunes, para a Secretaria de Assistência Social.

Antonio Denarium (PP) manteve sua cunhada Tânia Soares de Souza no comando da Secretaria do Trabalho e Bem-Estar Social.

Conforme apontado pela Folha de S.Paulo, a governadora de Pernambuco, Raquel Lyra (PSDB), nomeou dois primos para sua gestão. Em São Paulo, Tarcísio de Freiras (republicanos) chegou a nomear um cunhado, mas acabou recuando da escolha.

O Supremo Tribunal Federal proíbe a nomeação de cônjuge, companheiro ou parente de linha reta, colateral ou por afinidade, até terceiro grau da autoridade responsável pela nomeação. Contudo, há uma exceção para secretarias estaduais.

Procurados, os governadores alegam que as nomeações responderam a critérios técnicos e não são irregulares, já que cargos são considerados de natureza política.

Parentes de aliados também estão entre as nomeações dos novos governadores. O governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues (PT), escolheu como secretário de Meio Ambiente o advogado Eduardo Sodré Martins, enteado do senador Jaques Wagner (PT-BA), líder do governo Lula no Senado.

No mesmo estado, o irmão do vice-governador, Geraldo Júnior (MDB), José Acácio Ferreira, vai comandar a SEI, órgão de estudos econômicos e sociais da Bahia.