Governadores do NE pedem suspensão de voos de Reino Unido e outros países para conter coronavírus

Lisandra Paraguassu
·2 minuto de leitura
Alerta sobre Covid em painel de voos no aeroporto de Heathrow, em Londres

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - O Consórcio de Governadores do Nordeste pediu ao Ministério da Saúde a suspensão de todos os voos entre o Brasil e o Reino Unido, Austrália, Holanda e Dinamarca, depois que esses países confirmaram ter detectado uma nova variante do coronavírus com maior poder de disseminação.

Os governadores pedem a suspensão imediata dos voos e a imposição de uma quarentena obrigatória para todos as pessoas que chegarem dos quatro países, com a realização de exames PCR dos viajantes e seus contatos.

A medida já foi adotada por diversos países do mundo, mas o governo brasileiro até agora optou por não suspender voos. Na segunda-feira, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que iria aumentar a supervisão dos voos vindos diretamente do Reino Unido.

O ministério não respondeu ainda o pedido dos governadores, mas, na noite de terça-feira, divulgou novas recomendações para acompanhar pessoas que venham do Reino Unido, sem incluir os demais países.

Entre as recomendações está um autoisolamento de 10 dias após a chegada ao Brasil. Para pessoas com sintomas de síndrome gripal sem diagnóstico confirmado de Covid-19, a quarentena deve ser de 10 dias após o início dos sintomas. Nos casos confirmados de Covid-19, a quarentena seria de 20 dias depois do início dos sintomas ou 10 dias, desde que a pessoa tenha um resultado PCR negativo.

O ministério também pretende implementar medidas de rastreamento de passageiros e tripulantes que venham do Reino Unido e pessoas com quem eles tiveram contato.

Nesta semana, o Comitê Científico do Nordeste defendeu que os governadores da região implantem laboratórios nos aeroportos com capacidade para realizar testes PCR e obriguem turistas que não apresentarem resultados negativos a cumprirem quarentena de 14 dias, entre outras medidas, como forma de dificultar a importação do vírus.

"Caso a situação se agrave ainda mais nos próximos dias e semanas, o Comitê Científico recomenda enfaticamente que o Consórcio NE solicite oficialmente junto às autoridades federais apropriadas, incluindo, se necessário for, o Supremo Tribunal Federal, o fechamento do espaço aéreo brasileiro com a proibição de partidas ou chegadas de voos internacionais em todos aeroportos da região", disse o comitê liderado pelo cientista Miguel Nicolelis em comunicado.