G7 diz que manterá "máxima pressão econômica" sobre Coreia do Norte

Toronto, 18 abr (EFE).- Os ministros de Finanças do G7 disseram nesta quarta-feira que manterão "a máxima pressão econômica" sobre a Coreia do Norte para conseguir que as autoridades de Pyongyang eliminem seus programas de armas nucleares e mísseis balísticos.

Em comunicado emitido hoje, horas depois de saber que o diretor da CIA, Mike Pompeo, se reuniu com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, os países do G7 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Reino Unido, Itália e Japão) expressaram sua preocupação com a evasão de "sanções internacionais" por parte da Coreia do Norte.

"Seguimos comprometidos com a completa, verificável e irreversível desnuclearização da península da Coreia e o desmantelamento dos programas de armas de destruição em massa e mísseis balísticos da Coreia do Norte", afirmaram os ministros de Finanças do grupo.

O G7 constatou que mais de 30 representantes de bancos norte-coreanos estiveram operando fora da Coreia do Norte, violando as sanções das Nações Unidas e solicitou à comunidade internacional que "implemente de forma total e efetiva" as sanções financeiras impostas pelo Conselho de Segurança da ONU.

Os ministros de Finanças do G7 solicitaram a todos os países que "expulsem rapidamente estes representantes bancários e comerciais de acordo com suas obrigações perante a ONU". EFE