Governo anuncia trégua, mas fim da greve de caminhoneiros é dúvida

Chico Ferreira/Futura Press

Na noite desta quinta-feira, ministros do governo Temer anunciaram ter chegado a um acordo com representantes dos caminhoneiros para suspender as manifestações e greves por 15 dias. No entanto, na manhã desta sexta-feira 24 estados e o Distrito Federal ainda registravam protestos. Portanto, já é o quinto dia de paralisação, causando problemas de desabastecimento de combustíveis e de alimentos.

O ACORDO

O acordo foi assinado por algumas entidades representativas, incluindo a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA). No entanto, outros grupos, como a Associação Brasileira de Caminhoneiros (Abcam) e a União Nacional dos Caminhoneiros (Unicam) rejeitaram a proposta.

Na reunião, além de se comprometer a zerar a Cide sobre o diesel – medida já anunciada na terça – o governo disse que vai ressarcir a Petrobras para que a estatal estenda por um mês o desconto de 10% sobre o preço do diesel na refinaria. No entanto, o acordo para a trégua deixou de fora a isenção do PIS/Cofins sobre o óleo diesel, principal reivindicação da categoria.

LEIA MAIS:

Protestos tomam sete rodovias paulistas                                                                            

Salvador opera com 70% da frota

Mesmo sem rodízio, trânsito em SP fica abaixo da média

Greve suspende prova da OAB

Ministros do STF classificam greve como ‘absurdo’

Gasolina comum e etanol acabaram em São Paulo, diz Sincopetro

Prefeitura de São Paulo decreta estado de emergência

CAMINHONEIROS NÃO ACEITAM

Caminhoneiros autônomos parados nas rodovias disseram, após a divulgação do acordo, que não acabarão com a greve.

“Os supostos sindicatos que estão negociando não representam os caminhoneiros que estão na rua”, disse o motorista Aguinaldo José de Oliveira, 40, ao jornal Folha de S.Paulo. Para ele, que trabalha com transportes há 22 anos, o movimento não tem um líder.

“São uns aproveitadores que não falaram com a gente antes da greve e chegaram agora, quando já estava tudo parado”, afirma o caminhoneiro, parado na av. Anhaguera, Campinas. “Estou em mais de 30 grupos de WhatsApp e em nenhum aceitaram esse acordo.”

GOVERNO SUSPEITA DE LOCAUTE

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse à Folha de S. Paulo na noite desta quinta-feira (24) que há indícios de que a greve dos caminhoneiros seja um locaute (quando uma paralisação coordenada e incentivada por empresários do setor).

Segundo o ministro, se as informações forem comprovadas, o fato será investigado pela Polícia Federal.

AEROPORTOS EM ESTADO CRÍTICO

As reservas de combustível do aeroporto de Brasília se esgotaram na manhã desta sexta-feira (25) após cinco dias de paralisação dos caminhoneiros pelo aumento do preço do diesel. Em nota, a Inframerica, responsável pelos aeroportos do Distrito Federal e de Natal, divulgou que aviōes que necessitam de abastecimento devem ficar em solo até a situação ser normalizada.

O último relatório da Infraero, divulgado ontem, apontou situação crítica em ao menos sete aeroportos: Recife, Ilhéus, Goiânia, Palmas, Maceió, Carajás, São José dos Campos e Uberlândia.

PM DE SÃO PAULO REDUZ RONDAS

Um possível colapso de desabastecimento de combustível no estado de SP por causa do protesto dos caminhoneiros levou a Polícia Militar a implantar um esquema de racionamento que inclui a redução do patrulhamento pelas ruas. 

A cúpula da corporação decidiu que as viaturas ficarão agora mais tempo estacionadas em pontos de patrulhamento.