Governo aumenta para 40% limite de desconto para empréstimo no salário de servidores federais

O presidente Jair Bolsonaro editou uma medida provisória (MP) que aumenta de 35% para 40% o valor máximo do salário de servidores públicos que pode ser destinado para empréstimos consignados. A MP foi publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial da União (DOU) e entra em vigor imediatamente.

Auxílio Brasil: Juro do consignado no mercado é quase três vezes o cobrado de aposentados do INSS

Vale-alimentação: O que muda com a MP que altera o benefício e regulamenta o home office

Do total de 40%, 5% devem ser destinados exclusivamente para a amortização de despesas contraídas por meio de cartão de crédito, incluindo na finalidade de saque. Não poderá ser contratada uma nova consignação quando a soma de descontos alcançar 70% do salário.

Caso não haja outro regulamento específico, o mesmo limite de 40% vale para servidores públicos federais inativos, militares das Forças Armadas (inclusive da reserva), empregados públicos federais da administração direta, autárquica e fundacional e pensionistas de servidores e de militares.

Antes de cada contratação, terá que ser informado o "custo efetivo total e do prazo para quitação integral das obrigações assumidas".

Bolsonaro havia vetado trecho de MP

Uma alteração semelhante havia sido incluída durante a tramitação no Congresso de outra MP que trata de empréstimo consignado. Entretanto, ao sancionar o texto, Bolsonaro vetou esse trecho, por sugestão do Ministério da Economia.

Parece mas não é: Como saber se o 5G que aparece no seu aparelho é o 5G puro

De acordo com a Secretaria-Geral da Presidência, a proposta estava "disciplinada em termos imprecisos, que terminavam, por exemplo, por restringir as espécies de consignações permitidas, excluindo várias outras".

O texto anterior citava que 35% das consignações seriam destinadas "exclusivamente para amortização de prestações relativas a operações de empréstimo, financiamento e arrendamento mercantil".

Texto vai à sanção: Senado aprova MP que dispensa perícia a quem pedir auxílio-doença

Na justificativa do veto, a Economia alegou que essas "são apenas uma das modalidades passíveis de serem consignadas em folha pelo servidor" e que por isso "a proposição legislativa excluiria a possibilidade de consignar outras modalidades na margem facultativa, o que poderia caracterizar reserva de mercado, ao privilegiar instituições financeiras em detrimento de outras". O novo texto não detalha as operações possíveis de empréstimo consignado.

Outra mudança é que não havia citação ao limite de 70%, o que "poderia favorecer o descumprimento de obrigações já assumidas pelos servidores perante as instituições consignatárias", segundo a Economia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos