Governo Biden avalia subsídios para contracepção de emergência, se Suprema Corte cortar direito ao aborto

Porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki

WASHINGTON (Reuters) - O governo Biden está considerando subsídios para ajudar a financiar a expansão do acesso à contracepção de emergência, como uma possível resposta se a Suprema Corte reverter a decisão de 1973 que legalizou o aborto nacionalmente, disse a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, nesta quarta-feira.

“O que fizemos até agora... onde vimos restrições... foi criado, por exemplo, um valor de concessão de extrema necessidade, que fornece financiamento para expandir o acesso a contracepção de emergência”, disse Psaki a repórteres durante entrevista coletiva.

Um rascunho de decisão da Suprema Corte, vazado na segunda-feira, mostrou que a maioria dos juízes se preparam para reverter a decisão Roe v. Wade de 1973 que protege o direito ao aborto. O tribunal confirmou na terça-feira a autenticidade do documento vazado.

O presidente Joe Biden apelou aos eleitores na terça-feira para proteger o direito ao aborto apoiando candidatos que o defendem nas eleições de meio de mandato em novembro.

(Reportagem de Jeff Mason em Washington)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos