Governo Biden defende votação rápida no Senado para evitar paralisação de ferrovias

Governo Biden defende votação rápida no Senado para evitar paralisação de ferrovias

Por David Shepardson

WASHINGTON (Reuters) - O governo Biden pediu nesta quinta-feira que o Senado aprove rapidamente um projeto de lei para impedir uma greve de trabalhadores ferroviários, alertando para o risco de sérias turbulências econômicas.

A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou na quarta-feira um projeto de lei para impor um acordo de contrato provisório alcançado em setembro a uma dúzia de sindicatos que representam 115 mil trabalhadores. A Câmara também votou separadamente para exigir sete dias de licença médica remunerada para trabalhadores ferroviários, uma medida que a Casa Branca não endossou.

“Não há substituto no sistema de transporte americano para uma rede ferroviária de carga em funcionamento”, disse o secretário de Transportes, Pete Buttigieg, à CNBC. “Isso não apenas derrubaria nosso sistema ferroviário, mas realmente paralisaria nossa economia.”

Buttigieg, o secretário do Trabalho, Marty Walsh, e a diretora legislativa da Casa Branca, Louisa Terrell, se reuniram com os democratas do Senado na quinta-feira para tentar convencê-los a agir rapidamente.

Votações separadas são esperadas nesta tarde sobre os projetos de lei ferroviário e de licença médica, bem como uma proposta separada para estender o período de "conciliação" antes que os trabalhadores possam entrar em greve, disseram assessores.

O senador Bernie Sanders e outros exigiram uma votação separada sobre a questão da licença médica como condição para concordar com a consideração acelerada da votação do contrato para os ferroviários. Ele denunciou as empresas ferroviárias por se recusarem a oferecer licença médica remunerada.

"Eles são talvez o pior caso de ganância corporativa que já vi", disse Sanders. "Isso é realmente bárbaro no ano de 2022 na América."

(Reportagem de David Shepardson; reportagem adicional de Moira Warburton)