Governo Bolsonaro avisa que representantes de Maduro devem deixar o Brasil

RICARDO DELLA COLETTA
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASILIA, DF, BRASIL, 03-03-2020 - O presidente Jair Bolsonaro, durante Solenidade de Lançamento do Programa Abrace o Marajó, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governo de Jair Bolsonaro comunicou o regime do ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, que todos os diplomatas chavistas no Brasil deverão deixar o país.

Trata-se de um dos principais gestos diplomáticos contra Maduro desde que Bolsonaro reconheceu, no início do ano passado, o líder opositor Juan Guaidó como presidente encarregado do país.

O aviso dado pela chancelaria brasileira a Caracas é que os diplomatas chavistas serão expulsos do país caso não saiam do país dentro de um prazo estipulado.

Para viabilizar a saída dos chavistas, o governo publicou portarias nesta quinta-feira (5) determinando a volta dos funcionários brasileiros que hoje servem na Venezuela.

A ordem afeta tanto diplomatas quanto oficiais de chancelaria que trabalham na embaixada em Caracas e em consulados.

Desde o reconhecimento de Guaidó como mandatário legítimo da Venezuela o Itamaraty convivia com um impasse em relação à representação diplomática venezuelana no país.

Os representantes de Maduro permaneceram no país, no controle do edifício da embaixada, mas o país reconheceu como embaixadora uma enviada de Guaidó: a embaixadora María Teresa Belandria.