Governo Bolsonaro é o que menos investe no combate ao racismo, segundo relatório do PSOL

·1 minuto de leitura
BRASILIA, BRAZIL - NOVEMBER 09: Brazilian Vice President Hamilton Mourão and President of Brazil Jair Bolsonaro react during Volunteering Alliance launch amidst the coronavirus (COVID-19) pandemic at the Planalto Palace on November 09, 2020 in Brasilia. Brazil has over 5.064,000 confirmed positive cases of Coronavirus and has over 162,397 deaths. (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)
Vice-presidente Hamilton Mourão e presidente Jair Bolsonaro deixam pouco espaço para o debate racial no Brasil (Foto: Andressa Anholete/Getty Images)

O governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é o que menos investe em ações de combate ao racismo no Brasil. Os dados fazem parte de uma análise técnica da bancada do PSOL na Câmara dos Deputados.

O estudo é baseado em respostas do governo em um requerimento feito por parlamentares do partido. A quantia destinada a ações de enfrentamento ao racismo em 2020 equivale a 2% do montante investido em 2011. As informações que constam no levantamento foram divulgadas pela Veja.

Em 2020, o governo investir R$ 2,7 milhões em ações de combate ao preconceito racial. Nos últimos 10 anos, a média de gasto com o assunto foi de R$ 37,2 milhões.

Leia também

O estudo ainda mostra que, ao longo do ano, as políticas contra o racismo foram incorporadas ao Programa 5034 – Promoção da Vida, Fortalecimento da Família e Promoção dos Direitos Humanos para Todos. O documento do PSOL alega que essa mudança é simbólica e mostra o “desprezo do governo pela política de enfrentamento ao racismo”.

Após o assassinato de João Alberto Silveira Freitas, o vice-presidente, Hamilton Mourão, declarou que não há racismo no Brasil. No discurso durante a cúpula do G20, Bolsonaro sinalizou ter opinião similar à de Mourão e negou o preconceito racial no país.