Governo Bolsonaro reduz gastos com campanhas de vacinação

Colaboradores Yahoo Notícias
·1 minuto de leitura
Brazil's president Jair Bolsonaro reacts next to ''Ze Gotinha'', vaccination campaign mascot, during the launching ceremony of the National Vaccination Operationalization Plan against COVID-19 at Planalto Palace in Brasilia, Brazil, on Wednesday, Dec. 16, 2020. (Photo by Andre Borges/NurPhoto via Getty Images)

O governo Bolsonaro diminuiu os gastos com campanhas de incentivo a vacinação em 2019 e em 2020 em relação ao último ano do governo de Michel Temer (MDB).

A queda coincide com as falas negacionistas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que tem minimizado a importância da vacina contra o novo coronavírus e já declarou que não será imunizado contra a doença.

Leia também

Dados da execução orçamentária e do próprio governo, obtidos pelo portal UOL, apontam que, de 2018 para o ano passado, a redução dos valores pagos com campanhas de imunização foi de 21%, considerando-se a correção da inflação no período. As despesas caíram de R$ 77 milhões para R$ 60 milhões.

Os valores não se referem ao gasto com compra de imunizantes, mas a campanhas de divulgação nacionais.

Em 2020, até a última terça-feira (22), os valores gastos com as campanhas foram de R$ 45,7 milhões, o que equivale a uma queda 24% em relação ao primeiro ano do governo de Bolsonaro. Esse montante não inclui investimentos previstos para divulgar vacinação da Covid-19, que ainda não têm data para ser realizada no país.

O Ministério da Saúde disse que a queda de gastos em 2019 se deve “à redução orçamentária” da pasta. A justificativa, no entanto, contradiz os dados oficiais. Entre 2015 e 2020, o orçamento passou de R$ 131 bilhões para R$ 160 bilhões pagos (com um ano de queda, em 2017).

Nos governos de Dilma Rousseff (PT) e Temer, mesmo quando o orçamento caiu, os gastos com campanhas de vacinação subiram. Já no governo Bolsonaro, as despesas do ministério subiram, mas os dispêndios com campanhas foram reduzidos.