Governo Bolsonaro vincula mortes e casos de Covid a governadores adversários

DANIELLE BRANT E GUSTAVO URIBE
·3 minuto de leitura
SAO VICENTE, BRAZIL - AUGUST 07: President of Brazil Jair Bolsonaro waves during a visit to Barreiros bridge amidst the coronavirus (COVID-19) pandemic on August 7, 2020 in Sao Vicente, Brazil. The Barreiros Bridge project connects the mainland and island areas of São Vicente. After the completion of the services, the bridge will support vehicle traffic of up to three axes. (Photo by Alexandre Schneider/Getty Images)
Jair Bolsonaro durante visita a São Vicente, no estado de São Paulo, em 7 de agosto (Alexandre Schneider/Getty Images)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Palácio do Planalto distribuiu a partidos da base aliada no Poder Legislativo uma espécie de ranking dos governos estaduais e municipais que apresentam o maior número de mortes e casos do novo coronavírus.

O documento, produzido pela Secretaria de Governo com dados do Ministério da Saúde, associa a contaminação pela doença a governadores e prefeitos, muitos deles adversários do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Leia também

A planilha utiliza informações divulgadas no sábado (8) sobre o alastramento da doença no país.

O ranking dos estados com o maior número de novos casos, por exemplo, é liderado pelos governadores de São Paulo, João Doria (PSDB), do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), e da Bahia, Rui Costa (PT).

O governador de São Paulo também é citado na dianteira na relação dos estados que tiveram maior número de óbitos no sábado (8). Ele é seguido pelo governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo).

Segundo auxiliares presidenciais, o documento foi distribuído na tentativa de municiar deputados aliados contra governadores e prefeitos que têm criticado a gestão da crise sanitária pelo governo federal.

No ranking de municípios com o maior número de novos casos, o documento faz referência aos prefeitos de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), e de Salvador, ACM Neto (DEM).

Em nota oficial, a Secretaria de Governo, responsável pela articulação política, disse que o documento tem o objetivo de "monitorar a disseminação da Covid-19 nos entes federativos para auxiliar na articulação do governo federal".

"O documento em questão foi criado para contribuir internamente na gestão de curto prazo de como a pandemia está se comportando nos estados e municípios. Os dados apresentados são todos públicos e retirados do site do Ministério da Saúde", ressaltou.

Nesta segunda-feira (10), em entrevista à imprensa, Doria disse que o país atingiu no sábado (8) a marca de 100 mil mortos pela doença porque houve "desprezo pela ciência".

"Especialistas reconhecem hoje que o desprezo pela ciência, pela saúde e pela vida, e o desprezo por essa pandemia, lamentavelmente contribuiu para que chegássemos a 3 milhões de casos e 100 mil mortes, o segundo pior índice do planeta", afirmou.

Doria aproveitou para falar diretamente a Bolsonaro. Ele acusou o presidente de ter sido "omisso" e "negativista" em relação à pandemia do novo coronavírus.

"Continua minimizando os efeitos dessa pandemia, a maior crise de saúde da história do país", afirmou. "Presidente Bolsonaro, não era uma gripezinha", acrescentou.

Nesta segunda-feira (10), o Brasil registrou 721 mortes de infectados e 20.730 novos casos da doença. O país acumula 101.857 óbitos e mais de 3 milhões de infectados na pandemia do novo coronavírus.

Os dados são fruto de colaboração inédita entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus.

As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais. O balanço é fechado diariamente às 20h.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube