Governo chinês aprova uso de vacina experimental contra coronavírus para as Forças Armadas

·1 minuto de leitura
BEIJING, CHINA - JULY 01: A Chinese courier driver has his temperature checked for COVID-19 prevention before starting his shift on July 1, 2020 in Beijing, China. While Chinese government medical officials have said they believe they have contianed the outbreak, authorities are trying to control the spread of COVID-19 infections linked to the Xinfadi wholesale food market, Beijing's biggest supplier of produce and meat. More than 8 million people have undergone nucleic acid tests for COVID-19 at dozens of sites across the city in recent days, with officials using contact tracing to target high and middle risk areas and people who may have had contact with the market or food that came from there. Several neighborhoods have been locked down and a number of other food markets have been closed. (Photo by Kevin Frayer/Getty Images)
Coronavírus foi identificado em dezembro, na China (Foto: Kevin Frayer/Getty Images)

O governo da China aprovou que a vacina experimental contra o coronavírus seja usada nas Forças Armadas do país.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Segundo informações da CNN, a imunização é a Ad5-nCoV e foi desenvolvida pelo Instituto de Biotecnologia de Pequim em parceria com a empresa CanSino Biologics. A permissão durará um ano e vale apenas aos militares.

O governo chinês ainda não divulgou quantas pessoas serão imunizadas nem se a vacinação será obrigatória ou voluntária.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

A empresa CanSino declarou que os ensaios clínicos da vacina mostraram um “bom perfil de segurança” com resultados que indicam que a aplicação desta pode prevenir contra as doenças causadas pelo novo coronavírus, como a Covid-19.

Leia também

Resultados prévios da Ad5-nCoV, publicados na revista científica The Lancet, os resultados foram consideramos “mornos” por especialistas. O estudo mostra que quase metade das pessoas que receberam a vacina tiveram febre, 44% apresentaram fadiga e 39% relataram dor de cabeça. Entre os testados, 9% dos pacientes disseram ter sentido efeitos mais severos.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos