Governo de SP diz que produzirá "quantitativo em risco" da Butanvac; entenda

Anita Efraim e João de Mari
·5 minuto de leitura
Sao Paulo Governor Joao Doria shows the ButanVac vaccine candidate against Covid-19, at the Butantan Institute, in Sao Paulo, Brazil, on March 26, 2021. - The Brazilian ButanVac vaccine will ask for authorization from the National Health Surveillance Agency (Anvisa) to start clinical trials of phases 1 and 2 in humans, involving 1,8 thousand volunteers. Research started on March 26, 2020 and the production goal is to start on May and to deliver 40 million doses starting on July, 2021. (Photo by Miguel SCHINCARIOL / AFP) (Photo by MIGUEL SCHINCARIOL/AFP via Getty Images)
A tecnologia da nova vacina é a mesma usada para produção da vacina da gripe (Foto: MIGUEL SCHINCARIOL/AFP via Getty Images)
  • O governo de São Paulo anunciou, nesta terça-feira (20), que produzirá um "quantitativo em risco" da Butanvac a partir de maio

  • Quantitativo em risco é a produção das vacinas mesmo sem ter certeza da aprovação do uso no país — o que acontece apenas depois da avaliação da Anvisa

  • Caso os planos do Butantan se concretizem, a vacina pode começar a ser aplicada em julho de 2021

O governo de São Paulo anunciou, nesta terça-feira (20), que produzirá um "quantitativo em risco" da Butanvac, vacina contra a covid-19 feita 100% no Brasil, a partir de maio.

"A partir de maio, teremos condições de produção desta vacina, vamos produzir um quantitativo em risco, portanto, vamos esperar os resultados dos estudos clínicos para poder utilizar a vacina", afirmou Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan que será responsável pela produção do imunizante.

Leia também

Quantitativo em risco é o nome dado para a produção das vacinas mesmo sem ter certeza da aprovação do uso no país — o que acontece apenas depois da avaliação da Anvisa.

Procurado pela reportagem, o Instituto Butantan afirmou que este processo acontece para garantir que existam doses do imunizante em uma possível aprovação do uso, assim como aconteceu com a CoronaVac.

De acordo com Covas, a vacina estará produzida, mas o governo paulista deve esperar os resultados dos testes para, em seguida, buscar a autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

"Nós finalizamos essa semana, junto ao consórcio internacional, o protocolo do estudo clínico, isso está em processo de submissão à Anvisa e esperamos que seja rapidamente deferido, porque as dúvidas já estavam sendo discutidas com a Anvisa previamente", continuou Covas.

Durante o anuncio, ele ainda fez questão de elogiar o imunizante que começou a ser desenovlido há um ano, em 27 de março de 2020, e pretende começar a ser utiçizado ainda em 2021. A tecnologia da nova vacina é a mesma usada para produção da vacina da gripe.

"A vacina Butanvac, só para adicionar, é uma vacina melhorada, eu tenho dito que é a vacina 2.0, que pode ser uma solução para o Brasil e para os países pobres e de renda média".

(L-R) Butantan Institute director Dimas Covas, Sao Paulo Governor Joao Doria and Sao Paulo Health Secretary Jean Gorinchteyn, present the ButanVac vaccine candidate against Covid-19, at the Butantan Institute, in Sao Paulo, Brazil, on March 26, 2021. - The Brazilian ButanVac vaccine will ask for authorization from the National Health Surveillance Agency (Anvisa) to start clinical trials of phases 1 and 2 in humans, involving 1,8 thousand volunteers. Research started on March 26, 2020 and the production goal is to start on May and to deliver 40 million doses starting on July, 2021. (Photo by Miguel SCHINCARIOL / AFP) (Photo by MIGUEL SCHINCARIOL/AFP via Getty Images)
De acordo com Covas, a vacina estará produzida, mas o governo paulista deve esperar os resultados dos testes para, em seguida, buscar a autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)(Foto: Miguel SCHINCARIOL / AFP)

Quando a vacina começará a ser aplicada?

Caso os planos do Butantan se concretizem, a vacina pode começar a ser aplicada em julho de 2021. Segundo Dimas Covas, a celeridade do processo é possível porque o Instituto sabe mais sobre o coronavírus do que sabia quando começou a testar e produzir a CoronaVac, por exemplo.

“O que leva a nós termos esse cronograma é a experiência adquirida, inclusive com o estudo clínico da CoronaVac”, disse Covas. Em julho, o Butantan pretende ter 40 milhões de doses da ButanVac.

Quantas doses terá a ButanVac?

O número de doses necessárias para a imunização completa com a ButanVac só será definido após os testes clínicos da vacina. No entanto, Dimas Covas afirmou que o imunizante apresentou bons resultados imunogênicos, ou seja, boas respostas imunológicas.

Com isso, o Butantan não descarta a possibilidade de que a ButanVac será aplicada em dose única.

Novas datas de vacinação em SP

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), também divulgou nesta terça-feira (20) as datas de vacinação contra a covid-19 para pessoas com comorbidades e àquelas que nasceram com Síndrome de Down. A imunização começará no próximo dia 10 de maio.

De acordo com o governo de São Paulo, serão 120 mil pessoas imunizadas. Nesta fase, de acordo como governo, a prioridade serão as pessoas deste grupo entre 18 e 59 anos.

Estão incluídas nestre grupo:

  • Pessoas que nasceram com Síndrome de Down;

  • Pacientes transplantados;

  • Pacientes renais em terapia.

O governo também antecipou a vacinação de pessoas com 64 anos para 23 de abril e anunciou as datas de vacinação de trabalhadores do transporte público.

Confira o calendário de vacinação contra a covid:

  • 21 de abril: 65 e 66 anos

  • 23 de abril: 64 anos

  • 29 de abril: 63 anos

  • 6 de maio: 60, 61 e 62 anos

  • 10 de maio: pessoas com comorbidades

  • 11 de maio: metroviários e ferroviários

  • 18 de maio: motoristas e cobradores de ônibus

Vacinação total da população

Segundo Doria, a ideia é vacinar toda a população do estado até o fim de 2021. Além do Plano Nacional de Vacinação, para o qual o Instituto Butantan vai entregar 100 milhões de doses da vacina CoronaVac, o governo estadual prevê a compra de 30 milhões de doses. O contingente chegaria ao Brasil em setembro e ajudaria imunizar a totalidade da população paulista.

“São Paulo vai disponibilizar 100 milhões de doses da vacina do Butantan, esse é o contrato que nós temos com o governo federal. E vamos seguir: 46 milhões agora, 54 milhões depois, nós vamos seguir o programa nacional de imunização. Mas, também quero antecipar aqui que, a partir de setembro, após o cumprimento integral do nosso compromisso, do compromisso de São Paulo com o Brasil, com o Ministério da Saúde, já adquirimos 30 milhões de doses da vacina do Butantan junto ao laboratório SinoVac, que chegarão em outubro”, declarou Doria em entrevista à rádio CBN.