Governo deve fechar proposta de ajuda a atingidos por apagão no Amapá até fim de semana, diz fonte

Por Maria Carolina Marcello
·2 minuto de leitura
Torres de distribuição de energia elétrica
Torres de distribuição de energia elétrica

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - A equipe econômica estuda alternativas para socorrer famílias atingidas pelo apagão elétrico que atingiu o Amapá no início do mês e deve fechar uma proposta até o fim de semana, para apresentá-la ao presidente Jair Bolsonaro e ao presidente do Congresso, Davi Alcolumbre (DEM-AP), informou uma fonte a par do assunto.

A proposta de ajuda às famílias ainda não está fechada, disse a fonte, mas há o entendimento na Economia que há mecanismos possíveis para uma ajuda emergencial neste momento excepcional de calamidade.

Senador pelo Amapá, Alcolumbre tem atuado na busca de soluções para o Estado, e já havia aventado, em conversa com Bolsonaro, a possibilidade de uma parcela extraordinária do auxílio emergencial a famílias atingidas pelo blackout.

Nesta quinta, o parlamentar esteve reunido com integrantes da equipe econômica. .

Depois, dirigiu-se ao Palácio do Planalto, para conversa com o presidente, ocasião em que os dois alinharam as medidas de socorro ao Estado e Bolsonaro foi convidado a ir ao Estado, no sábado.

Em nota, a assessoria de Imprensa da Presidência do Senado informou que Alcolumbre fez um relato sobre as dificuldades por que passam os amapaenses e tratou de medidas do Executivo para o fim do racionamento de energia e o pagamento de auxílio social às famílias atingidas no Estado.

"O presidente do Senado chamou o presidente Bolsonaro para ver de perto a situação no Amapá. A data não está confirmada, mas a expectativa é de que Bolsonaro desembarque em Macapá ainda neste sábado (21)", disse a nota da assessoria da Presidência do Senado.

Sobre as negociações travadas com a Economia, a nota informa que "também nesta tarde, Alcolumbre conversou sobre o auxílio social com o ministro da Economia, Paulo Guedes, que sinalizou que há ferramentas disponíveis para atender os amapaenses".

Desde o dia 3 sem fornecimento de energia regular, após um incêndio na subestação de energia do Estado, a população do Amapá vive clima tenso, com protestos e alta no preço de itens básicos.