Governo do DF diz esperar ação do Exército para desmobilizar acampamento bolsonarista em frente ao QG

O secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Júlio Danilo, afirmou que ainda espera uma ação do Exército para desmobilizar o acampamento de bolsonaristas em frente ao QG do Exército, após as forças de segurança terem desistido de retirar os manifestantes do local na manhã desta quinta-feira. Na ocasião, os militantes foram hostis à chegada das autoridades. Júlio Danilo negou que tenha havido vazamento prévio de informações sobre a operação e que isto tenha motivado a mudança de planos. De acordo com ele, a operação foi suspensa por uma decisão do Exército, que avaliou não ser necessária. Porém, disse ter a garantia de que o acampamento seria removido até o final do dia.

Veja também: Ainda abatido pela derrota e temendo Justiça, Bolsonaro deve deixar o país nos próximos dias

Transição: Lula amplia espaço de partidos de centro e oferece 3 ministérios ao PSD e 3 ao União Brasil

— Ainda espero uma ação do Exército. Até o final do dia, todos devem ter sido removidos, conforme fui avisado. Eles avisaram que não seria necessária uma operação naquela área. É importante lembrar que a mobilização já diminuiu bastante nos últimos dias, a maioria das pessoas acampadas já saiu do local. Não houve vazamento de informações. As autoridades apenas avaliaram não ser necessária a operação — afirmou.

Os manifestantes bolsonaristas estão acampados há cerca de 50 dias no local, em protesto contra a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições presidenciais. Nas redes sociais, circulam vídeos do momento em que os agentes recuam diante da reação hostil. Além de xingarem policiais e militares, eles chutaram veículos do governo e apedrejaram as autoridades.

Embora algumas barracas já tivessem sido desmontadas, a orientação foi para suspensão da ação, para evitar confrontos e reações mais inflamadas. O governador reeleito Ibaneis Rocha (MDB) determinou que o acampamento fosse encerrado até a posse.