Governo divulga novos critérios para flexibilizar restrições e liberar volta de serviços não essenciais

Paulo Cappelli
·1 minuto de leitura
O secretário Lucas Tristão apresenta o projeto de flexibilização durante entrevista coletiva
O secretário Lucas Tristão apresenta o projeto de flexibilização durante entrevista coletiva

O governo estadual divulgou nesta quarta-feira (20) a criação de um sistema de classificação em três bandeiras (vermelha, amarela e verde) que noteará a flexibilização do isolamento social. Sem estabelecer datas, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Lucas Tristão, afirmou que o objetivo é diminuir os níveis de restrição da quarentena, em um cálculo que levará em conta a curva de contaminação e a taxa de ocupação dos leitos dos hospitais. As classificações serão feitas semanalmente, sempre às sextas-feiras, em parceria com a Secretaria de Saúde, com base na análise de informações disponíveis.

O atual estágio de isolamento é representado pela bandeira vermelha, cujo protocolo permanecerá adotado enquanto a taxa de ocupação de leitos se mantiver superior a 90%. Quando a bandeira passar a ser amarela, com taxa de ocupação inferior a 90% e curva de contaminação em declínio, serão permitidas a reabertura de shoppings e de academias e a ampliação da capacidade de funcionamento de restaurantes para 50%, sempre mantendo a distância de 2 metros entre as mesas.

Já a bandeira verde, com taxa de ocupação de leitos abaixo de 70% e curva de contaminação em declínio, indicará a volta à normalidade, sem restrições, com abertura de todos os locais turísticos e de lazer e todos os serviços restabelecidos, respeitando os protocolos de segurança e higiene.

— Após muitos debates definimos este plano. Precisamos dar alguma margem de previsibilidade ao mercado em geral, para os empreendedores individuais, indústrias e empresas. Resultados positivos nos indicadores mostram a oportunidade de flexibilização, assim como resultados negativos anunciam a necessidade do retorno ou de novas restrições — afirmou o secretário Lucas Tristão.

— Apesar da criação das bandeiras, a decisão final sobre flexibilizar ou não as restrições será sempre do governador — completou.