Governo diz que apenas quem tomar vacina da Pfizer terá que assinar termo de consentimento

FÁBIO ZANINI
·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***GOIÂNIA, GO, 08.11.2019 - O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM-GO), durante cerimônia de entrega de ônibus escolares para o estado de Goiás, em Goiânia, no estacionamento do estádio Serra Dourada. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress) ORG XMIT: AGEN1911081834594286
***ARQUIVO***GOIÂNIA, GO, 08.11.2019 - O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM-GO), durante cerimônia de entrega de ônibus escolares para o estado de Goiás, em Goiânia, no estacionamento do estádio Serra Dourada. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress) ORG XMIT: AGEN1911081834594286

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ministério da Saúde informou a governadores, em reunião na tarde desta quarta-feira (16), que apenas quem tomar a vacina da Pfizer terá que assinar o termo de consentimento, isentando o governo de responsabilidade por complicações do imunizante.

A fabricante incluiu a exigência no contrato que assinou com o governo brasileiro. Segundo o ministério informou aos governadores, o laboratório requisitou a mesma cláusula de todos os países que estão comprando a sua vacina.

Governadores afirmam que saíram da reunião, realizada com o secretário especial Airton Cascavel, com o entendimento de que o governo vai replicar a exigência a quem for vacinado com o imunizante no Brasil.

Presente à reunião, Ronaldo Caiado (DEM-GO) afirmou que a Pfizer deverá ser a única que pedirá registro emergencial na Anvisa, as demais entrarão com o processo regular de validação, segundo a previsão do Ministério da Saúde.

Na avaliação de Caiado, o termo não deve afugentar potenciais interessados pois ela poderá ser direcionada a profissionais de saúde, mais acostumados com estes termos.