Governo diz que mantém tratativas com EUA para compra de vacinas desde dia 13

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - O governo brasileiro afirmou neste sábado que mantém tratativas desde o dia 13 com o governo norte-americano para eventual importação de vacinas do excedente disponível nos Estados Unidos.

"Desde o dia 13 de março o governo brasileiro, através do Itamaraty e da Embaixada em Washington, em coordenação com o Ministério da Saúde, está em tratativas com o governo dos EUA para viabilizar a importação pelo Brasil de vacinas do excedente disponível nos Estados Unidos", disse o Itamaraty em publicação no Twitter.

Mais tarde, também por meio do Twitter, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, argumentou que o trabalho da diplomacia exige discrição em algumas situações.

"Tão logo os EUA nos sinalizaram a possibilidade de exportação de vacinas excedentes, iniciamos o processo para obtê-las, na forma e pelos canais que o próprio governo americano nos recomendou. A diplomacia muitas vezes precisa trabalhar em silêncio", publicou na rede social.

A Casa Branca anunciou na sexta-feira planos de "emprestar" 4 milhões de doses da AstraZeneca já produzidas nos Estados Unidos para o Canadá e o México. A Casa Branca não tem planos de emprestar doses a outros países, de acordo com um funcionário do governo.

O Brasil enfrenta o segundo surto mais letal de coronavírus depois dos Estados Unidos, que piorou com uma nova onda nas últimas semanas, levando o sistema hospitalar à beira do colapso.

O governo federal tem demorado a implantar a vacinação no país, com alguns governos locais precisando suspender a imunização em vários pontos devido à falta de suprimentos.

Na sexta-feira, a Reuters informou que o governo brasileiro ainda não havia pedido aos Estados Unidos para comprar o excesso de vacinas, apesar dos planos de compartilhamento de doses com o México e o Canadá, citando duas fontes familiarizadas com o assunto.

(Reportagem de Jake Spring e Andrea Shalal)